O padre que conta piada e faz mágica

Religioso espanhol atrai os fiéis para as missas na Paróquia de Santa Rita, na Vila Mariana, com humor e brincadeiras

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2010 | 00h00

"Certa vez, juntaram-se três padres para ver como cada um resolvia o problema dos morcegos em sua igreja. O primeiro disse: "Eu levei os morcegos a 80 km de distância e os soltei, mas quando voltei lá estavam de novo na igreja." O outro explicou: "Eu atirei, mas não acertei nenhum, só furei o teto da igreja." O terceiro falou: "Descobri um santo remédio: batizei e crismei os morcegos e todos sumiram, nunca mais apareceram na igreja.""

Frei Miguel Lucas Peña conta essa anedota quando alguém reclama que o movimento nas igrejas católicas não é mais o mesmo, que os fiéis estão sumindo, que as missas já não atraem tanta gente. E tem a solução. "Devemos entusiasmar as pessoas a seguir Jesus Cristo, encantar a todos", afirma. Por isso, missa das crianças, às 11h de domingo, é uma festa na Paróquia de Santa Rita, na Vila Mariana, zona sul. Festa com mágicas e piadas. As cerca de 300 pessoas que lotam o templo são cativadas pelo seu bom humor. Para transmitir suas mensagens, o sacerdote de 74 anos lança mão de humor, truques, pinturas e muita psicologia.

Frei Miguel nasceu na Espanha e desde cedo teve contato com a religião. "Gostava das coisas da Igreja." Paralelamente, desenvolveu o gosto pelas artes plásticas. Ordenou-se padre em 1960 e um ano depois foi enviado ao Brasil. Jamais deixou de pintar, principalmente imagens sacras e figuras humanas. Em 1975, decidiu cursar Psicologia. Estudou ainda Parapsicologia e, há 12 anos, formou-se em Pedagogia. Também aprendeu truques básicos de mágica - cada um com uma mensagem religiosa.

Frei Miguel também é escritor. Já publicou 25 títulos, muitos com ensinamentos de autoajuda. O recém-lançado Catequese Com Humor é um sucesso porque o sacerdote explica conceitos religiosos por meio de anedotas. "Sempre gostei de piadas", admite, com uma gargalhada. Assim, o religioso tornou-se um padre diferente, capaz de evangelizar de um modo divertido e atraente. "Padre não é profissão, é vocação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.