Imagem Jairo Bouer
Colunista
Jairo Bouer
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O melhor amigo do homem!

Você confiaria em um cão para diagnosticar um câncer? Novas experiências mostram que o melhor amigo do homem pode ter um olfato apurado para identificar diversos tipos de tumor.

JAIRO BOUER, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2014 | 02h03

Na semana passada, uma labradora inglesa de 10 anos, Daisy, foi condecorada no Reino Unido, de acordo com o jornal Daily Mail, por ter identificado câncer de mama em 551 pacientes. A cadela foi treinada por sua proprietária, uma médica, desde bebê, para identificar o "cheiro" de substâncias associadas ao tumor tanto na urina como ao farejar as mamas.

Cachorros têm muito mais receptores olfativos do que humanos e seu faro é até 300 vezes mais potente. Os "cães médicos" são treinados por períodos de dois até quatro anos para diferenciar cheiros de amostras de pacientes com tumor e de pessoas saudáveis. Para a ONG inglesa Cães de Detecção Médica (medicaldetectiondogs.org.uk), Daisy identifica um tumor de mama com acurácia de 93%.

A boa notícia é que Daisy não está sozinha. Em maio, durante o encontro anual da Associação Americana de Urologia, um trabalho do Hospital Humanitas Research de Milão, na Itália, mostrou que duas cadelas pastor alemão conseguiram identificar câncer de próstata em amostras de urina com 98% de eficácia. Elas "cheiraram" amostras de mais de 900 pessoas (saudáveis, com câncer de próstata e com outros tipos de tumor) e quase sempre acertaram o diagnóstico.

Na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, outro pastor alemão, Tsunami, conseguiu diagnosticar câncer de ovário, segundo trabalho de 2013, com mais de 90% de taxa de acerto, ao farejar amostras de sangue e de outros tecidos dos pacientes doentes.

No Brasil, uma cadela que virou notícia no fim de setembro, Life, pastor belga que "trabalhou" para a Polícia Militar de Goiás até ser atacada por um pit bull e ser aposentada de suas funções originais, está envolvida em um estudo da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão de Preto para diagnosticar o câncer de próstata. Em mais de 400 testes, ela não errou nenhum!

Como o treinamento dos cães é longo e custoso para ser usado em larga escala, uma ideia seria pensar em tecnologias que "copiem" esse faro privilegiado, uma espécie de "nariz eletrônico". Esses marcadores dariam pistas para que as equipes médicas investigassem suspeitas de câncer.

Cães e humanos evoluíram juntos. À medida que iam se formando os assentamentos de Homo sapiens mais estruturados, os cães se separaram dos lobos e começaram a ser domesticados. As pesquisas iniciais apontavam de 10 mil a 12 mil anos de convivência. Cães vigiam, defendem, trabalham e os homens os acolhem, protegem e alimentam.

Trabalhos mais recentes, com análise de DNA de humanos e de canídeos, agora afirmam que a amizade pode datar de mais de 32 mil anos. O cérebro, sistema digestivo e metabolismo dos dois podem ter evoluído de forma paralela, com a ingestão de mais carne e de menos vegetais. Quem sabe essa parceria não evolui ainda mais com esse novo campo de investigação?

É PSIQUIATRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.