Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

O melhor amigo do homem é o mais antigo

Quando e onde surgiu a amizade entre homem e cão? O cachorro teria sido domesticado no Egito, na Ásia ou na África? Teria sido antes ou depois da descoberta da agricultura? Até hoje não sabemos exatamente quando e onde o cão surgiu e passou a ser criado pelos seres humanos. Agora, analisando o DNA de fósseis de cães, os cientistas acreditam que chegaram a uma conclusão. Foi na Europa entre 18.800 e 32.100 anos atrás. Os cientistas concordam que o cachorro surgiu a partir da domesticação do lobo cinza (Canis lupus). O que se acredita é que o lobo passou a conviver com seres humanos e, provavelmente pela adoção de filhotes, aos poucos se transformou no cão.

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2013 | 02h07

O problema é que essa espécie de lobo existia por toda a Europa e Ásia e esqueletos desse animal podem ser encontrados tanto em Portugal quanto na Rússia e em grande parte da Ásia. O ser humano por sua vez saiu da África e se espalhou pela Europa e pela Ásia. Onde havia lobo havia populações humanas. Por esse motivo o processo de domesticação pode ter ocorrido em qualquer dessas regiões. Não é o caso da domesticação de outros animais, como a lhama ou a cabra, espécies que habitavam regiões específicas onde o ser humano as descobriu e domesticou. Sabemos também que os cachorros foram domesticados antes da chegada do ser humano na América. As evidências arqueológicas demonstram que os cães acompanharam os seres humanos durante o cruzamento do Estreito de Bering, que liga a Ásia ao Alasca.

Dois outros problemas complicam a comparação dos cães atuais com lobos. Os cães foram levados de um lado para o outro do planeta pelas populações humanas e assim o local onde hoje encontramos os cães mais parecidos com os lobos não obrigatoriamente correspondem ao local onde houve a domesticação. Além disso já foi demonstrado que após a domesticação algumas raças de cães modernos resultaram de cruzamentos de cães com lobos selvagens.

Por esses motivos se acredita que a única maneira de resolver o problema é analisar o DNA dos ossos de cães encontrados em sítios arqueológicos antigos, junto a populações humanas, e comparar a sequência de DNA das amostras com a de cães modernos e de lobos. Essa análise pode identificar espécimes de cães em que a sequência do DNA seja muito parecida com a dos lobos, o que indicaria que a separação entre as espécies teria ocorrido faz pouco tempo. A ideia é que o local e a data em que esses animais viveram seria a época e o local mais provável em que a domesticação teria ocorrido.

Os cientistas analisaram o DNA coletado de 149 animais. A maior parte é de diversas raças de cães modernos e lobos de várias partes do mundo. Mas a novidade são amostras de 18 esqueletos encontrados em sítios arqueológicos. Esses animais, parecidos com cães e lobos, foram desenterrados na Bélgica, na Rússia, no Alasca, na Suíça e na Alemanha. Cada um desses esqueletos foi datado. Foi descoberto que os animais viveram entre 15 e 30 mil anos atrás. A sequência do DNA das mitocôndrias de cada uma das amostras foi determinada e o grau de semelhança entre cada par dessas amostras foi determinado. Depois todas essas amostras foram organizadas em uma espécie de gráfico (uma espécie de árvore genealógica baseada na sequência de DNA) que indica o grau de similaridade entre os 149 animais.

A análise desses dados demonstra que os cães mais semelhantes aos lobos são semelhantes entre si e são representados por fósseis de animais que viveram entre 15 e 30 mil anos atrás na Europa. O exemplo típico é um cachorro encontrado em uma caverna na Suíça. Com base nesses dados os cientistas acreditam que o cão muito provavelmente foi domesticado em algum lugar da Europa entre 18.800 anos e 32.100 anos atrás. Apesar desses dados serem muito convincentes, os defensores de que a domesticação ocorreu na Ásia argumentam que o estudo é falho, pois não inclui fósseis originários da Ásia. O problema é que fósseis antigos nunca foram encontrados na Ásia e, se realmente o cão foi domesticado na Europa, nunca serão encontrados no Oriente.

O interessante é que a descoberta sugere que os cães foram domesticados por populações humanas de coletores e caçadores. Nessa época o ser humano ainda não havia desenvolvido a agricultura e as cidades ainda não tinham aparecido. É bonito imaginar bandos de nossos ancestrais vagando pela Europa, caçando e colhendo frutos e raízes, acompanhados por simpáticos cachorros abanando rabos. E as crianças brincando com filhotes. Parece que nossos melhores amigos nos acompanham faz muito, muito tempo.

É BIÓLOGO

MAIS INFORMAÇÕES: COMPLETE MITOCHONDRIAL GENOMES OF ANCIENT CANIDS SUGGEST A EUROPEAN ORIGIN OF DOMESTIC DOGS. SCIENCE VOL. 342 PAG. 871 2013

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.