Denis Ferreira Netto/AE
Denis Ferreira Netto/AE

O júri da ''bruxa de Guaratuba''

Dezenove anos após morte de menino de 6 anos em ritual de magia negra no Paraná, acusada é condenada a 21 anos e 4 meses de prisão

Flávia Tavares, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2011 | 00h00

Quatro mulheres e três homens assistiram, silenciosamente, aos discursos do promotor e do advogado de defesa e aos depoimentos das testemunhas, na sexta-feira gelada de Curitiba. Eles tinham a responsabilidade de julgar Beatriz Cordeiro Abagge, de 47 anos, acusada de assassinar Evandro Ramos Caetano, de 6, em um ritual de magia negra há 19 anos. Sua mãe, Celina, também era acusada, mas por causa da idade não será mais julgada. O crime ficou conhecido como o caso das bruxas de Guaratuba, em referência à cidade litorânea do Paraná onde o menino foi morto. O julgamento acabou na tarde de ontem. Por quatro votos a três, Beatriz foi condenada a 21 anos e 4 meses de prisão, mas poderá aguardar o recurso da decisão em liberdade.

A defesa vai pedir a anulação do júri. "Eu sou inocente e vou continuar gritando a minha inocência", disse Beatriz. "Fui torturada para confessar um crime que jamais cometi." Com um terço nas mãos, a mãe de Evandro, Maria Ramos Caetano, e o marido, Ademir, acompanharam o julgamento. "Foram 19 anos esperando. Terminou em termos, porque o filho não volta mais", disse o pai. "Sempre confiei na Justiça", afirmou a mãe.

Nesses anos, as versões tanto da defesa quanto pela acusação passavam tão perto do inimaginável que o episódio gerou paixões e reviravoltas ao longo de quase duas décadas. O caso é permeado por intrigas políticas, disputas de poder, adultério e violência.

A acusação. O principal articulador das acusações contra Beatriz e Celina era Diógenes Caetano Filho, primo do pai de Evandro. Diógenes Caetano, pai, foi fiscal de renda de Guaratuba e prefeito em 1973. Segundo Diógenes Filho, foi também amante de Celina por 16 anos. Quando o suposto romance começou, ela já era casada com Aldo Abagge, que se elegeu prefeito em 1989. Ele exercia o cargo quando o caso Evandro explodiu na cidade. Aldo morreu em 1995.

"Todo mundo sabe que ela era uma macumbeira de longa data", afirma Diógenes. Apesar do adultério, diz que os Caetanos e os Abagges eram próximos. Uma disputa política, porém, separou os amigos. Diógenes passou a criticar a atuação da Câmara de Vereadores e do prefeito Aldo. Estava prestes a se lançar candidato à prefeitura quando Evandro desapareceu, no dia 6 de abril de 1992.

Ex-policial civil e militar, Diógenes se envolveu nas investigações desde o princípio. Celina e Beatriz, que é terapeuta ocupacional e cuidava de crianças com necessidades especiais em Curitiba, também ajudavam nas buscas. Relatórios das primeiras investigações indicam que Beatriz poderia estar envolvida no desaparecimento. Ela seria amante do pai de santo Osvaldo Marceneiro.

O corpo de Evandro foi encontrado no dia 11 de abril, um sábado. Escalpelado, sem face, olhos, vísceras, mãos e os dedos dos pés, com o calçãozinho branco que ele adorava, chinelos e a chave de casa ao lado. Estava no meio do mato, próximo à serraria de Aldo Abagge. "O que mais me dói é que duvidem que o corpo seja de Evandro. Eu vi o corpinho. Estava desfigurado, mas sei que era meu filho", disse Ademir, pai do garoto, ao lado de Maria, a mãe, dias antes do julgamento, em Guaratuba.

Ela era secretária da Escola Olga Silveira na época. Foi no caminho de menos de 100 metros entre a escola e sua casa que Evandro foi sequestrado. Uma testemunha do momento em que o menino teria entrado no carro da primeira-dama e sua filha foi desqualificada no primeiro julgamento por usar drogas. "Celina proibiu as professoras de ir ao enterro", disse Maria.

Diógenes buscou o Ministério Público e conseguiu que o Grupo Águia, da Polícia Militar, assumisse o caso. Começava aí uma disputa entre as polícias que teria contaminado as investigações. A Civil passaria a defender que Celina e Beatriz são inocentes. A Militar, que são culpadas.

No dia 1.º de julho, a PM prendeu Osvaldo Marceneiro, Vicente de Paula e Davi dos Santos Soares, o pai de santo e seus auxiliares. No dia seguinte, levam Celina e Beatriz - embasados na confissão dos três homens, que acusavam as duas de ter encomendado a morte de Evandro para conseguir fortuna e poder e de ter participado do ritual. Elas também confessaram a participação no crime.

Na serraria, foi achada, em uma "casinha de Exu" (altar a entidades espirituais), pote de barro usado em sacrifícios de animais. Nele havia sangue humano. Não ficou provado se era de Evandro. "Nunca tive dúvida da culpa de Celina e Beatriz. Tenho confiança nos laudos que mostram que o corpo é de Evandro e nas provas contra elas", garante Paulo Sérgio Markowicz Lima, promotor da acusação.

A defesa. Celina e Beatriz têm certeza, por sua vez, que quem está por trás da trama e até do desaparecimento de Evandro é Diógenes Caetano. Em entrevista dias antes do julgamento, elas choraram ao relatar, com detalhes, as torturas físicas, psicológicas e sexuais a que teriam sido submetidas por PMs para confessar o assassinato. Celina lembrou de ter sido jogada no banco de trás de um carro e, apesar de não poder ver, ter deduzido que estava sendo levada para uma casa que seria do pai de Diógenes.

Na versão das Abagges, Marceneiro, Vicente de Paula e Soares teriam sido levados para a mesma casa na véspera e, também sob tortura, forçados a apontá-las como mandantes do crime. "Depois de seviciada, espancada e submetida a choques elétricos por horas, não aguentei e confessei uma coisa que não fiz", disse Beatriz. As denúncias de tortura foram investigadas pelas Polícias Civil, Militar e Federal, mas nada foi concluído.

Celina afirmou ser católica praticante fervorosa. "Apreenderam um livro do Paulo Coelho, um caderno com o Garfield de chifrinhos e o filme Ghost como provas de que eu era bruxa", diz Beatriz. "Diógenes pôs na cabeça que eu fui a responsável pela separação de seus pais, que eu era amante do pai dele, e queria vingança", disse Celina. Segundo elas, antes de o corpo ser encontrado, Diógenes alardeava que elas eram assassinas.

As Abagges atribuíam a acusação contra elas também a um cenário maior, que envolve até o governo do Paraná. Havia uma onda de desaparecimentos de crianças no Estado e as autoridades não conseguiam contê-la. Em Guaratuba, dois meses antes de Evandro, o garoto Leandro Bossi também havia sumido. "Acharam um corpo com as roupas dele, mas ficou provado que era uma menina. Como confiar que o corpo é de Evandro mesmo?", questionava Adel El Tasse, advogado de defesa. Leandro continua desaparecido. Para ele, a história da magia negra caía como uma luva para explicar os sumiços. A Promotoria nega. / COLABOROU EVANDRO FADEL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.