'O grande obstáculo é cultural', diz OAB-SP

O vice-presidente da Seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), Marcos da Costa, considerou o novo sistema digital do TJ um avanço tecnológico, mas, sobretudo, um salto de costumes. "O grande obstáculo é a questão cultural do Judiciário. Você começa a ter um novo conceito de processo."

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2010 | 00h00

Costa afirma que a situação ainda é longe da ideal. Com 18 milhões de processos, apenas 12 varas do Estado estão digitalizadas. "Apesar disso, esse sistema deve acabar com o cartório, que resultará em ganhos."

O procurador de Justiça Márcio Sérgio Christino, do Ministério Público Estadual, comemora a ação. "Tudo que vem para agilizar é muito bom. É uma questão de tempo para que os processos estejam digitalizados."

Christino chama atenção para uma preocupação que não aparece com força no Judiciário: um sistema digital comum entre as instituições. "Precisamos de um sistema compatível entre o TJ, MP, Defensoria e tribunais federais. Um sistema em que o processo possa ir e voltar."

A defensora pública geral, Daniela Cembranelli, ressalta a importância da celeridade que a medida traz. "Quanto mais cedo se publica, mais rápido se recorre e tudo fica mais ágil", diz. Segundo ela, é positiva a intenção do TJ em fazer a intimação eletrônica das decisões das câmaras criminais, mas pondera: "Sem a digitalização dos processos será necessário que os volumes sejam entregues em papel."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.