''O estrangeiro, aqui, passa despercebido''

Carla Valencia nasceu no Peru. No seu primeiro documentário Abuelos (Vovôs), ela examina a história de seus dois avós - um equatoriano, país onde foi criada, e outro chileno. Com raízes espalhadas pela América do Sul, a primeira coisa que chamou sua atenção em São Paulo foi a "sensação de acolhimento".

, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2011 | 00h00

"São Paulo é uma cidade tão cosmopolita, com tantos tipos diferentes, que o estrangeiro passa despercebido. Isso é agradável", diz ela, na cidade para o Festival É Tudo Verdade. Abuelos tem exibição hoje, às 18 h, na Cinemateca.

Tranquilidade. Despercebida e segura: é assim que Carla diz se sentir, apesar da fama de cidade perigosa que tem São Paulo. "Todas as cidades podem ser perigosas. O importante é tomar os cuidados normais, como não andar sozinha de madrugada, ficar atenta no metrô." Carla já entendeu os truques da cidade e também características que os paulistanos conhecem bem. "Gostei muito da quantidade de opções culturais, como museus. Mas há poucos parques para o tamanho da cidade, deveria ter mais Ibirapueras."

Mil filmes. Cineasta de documentários, Carla diz enxergar na cidade cenários para "mil filmes". "Cada indivíduo ou apartamento de cada edifício é uma possibilidade. As histórias mais interessantes são a de pessoas normais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.