O desafio de suspender 2,1 mil m²

O museu de arte mais importante de São Paulo já tinha sido fundado há 21 anos - pelo dono dos Diários Associados e ex-embaixador do Brasil na Inglaterra, Assis Chateaubriand - quando ganhou sua sede definitiva, em 1968, na Avenida Paulista. Depois disso, o Museu de Arte de São Paulo (Masp) foi incorporado à paisagem paulistana tornando-se um cartão-postal.

O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2011 | 03h02

O edifício, projetado em 1958 pela arquiteta Lina Bo Bardi, demorou uma década para ser erguido. Entre 1961 e 1963, foi construída a estrutura do imponente prédio - com uma engenharia capaz de assegurar o imenso vão livre de 74 metros do projeto arquitetônico. A obra ficou a cargo do escritório de José Carlos de Figueiredo Ferraz (19178-1994), que enfrentou o desafio de suspender a laje de 2,1 mil m².

Formado pela Escola Politécnica da USP, Ferraz seria, entre 1971 e 1973, prefeito da cidade. Sua gestão criou a Lei do Zoneamento e foi uma das responsáveis pela primeira linha do metrô paulistano. Também foi marco de sua passagem pela Prefeitura a construção da ligação viária entre a Rua da Consolação e as Avenidas Paulista, Rebouças e Doutor Arnaldo.

Ferraz, que ostentava glórias esportivas na currículo - em 1941, sagrou-se campeão sul-americano de atletismo -, morreu aos 75 anos, de ataque cardíaco, na Estação Brigadeiro do Metrô. / EDISON VEIGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.