''O centro garante a identidade da cidade''

Henrique Meirelles, ex-presidente do BC, voltou ontem à Associação Viva o Centro

Bruno Paes Manso, O Estado de S.Paulo

18 Março 2011 | 00h00

Há 20 anos, o goiano Henrique Meirelles, então presidente do BankBoston, fundou a Associação Viva o Centro e liderou o debate sobre a revitalização da região. A pressão ajudou. Desde então, a área ganhou a Sala São Paulo, o Museu da Língua Portuguesa, recebeu de volta a sede da Prefeitura e secretarias municipais e estaduais. Após oito anos afastado para presidir o Banco Central, ele voltou ontem para reassumir novas bandeiras.

"O centro garante a identidade de uma cidade", defende. "E esse é o momento do centro em todos os aspectos."

Incentivar a construção de grandes espigões, com alturas de 35 a 40 andares, é uma delas. Na presidência do Banco Central, Meirelles ouvia reclamações de CEOs de grandes corporações sobre a dificuldade de achar lugar para sedes de empresas em São Paulo. "O centro pode recebê-las", acredita.

O novo comandante da Autoridade Pública Olímpica (APO), cargo público que assumiu nesta semana, afirmou também que São Paulo pode tirar proveito do momento esportivo nacional. "A parceria feita com a iniciativa privada, como ocorreu com o projeto Nova Luz, parece ser um bom caminho."

Entre outras medidas pontuais defendidas pela associação que preside, estão o reaproveitamento do prédio dos Correios para a revitalização do Vale do Anhangabaú. A sugestão é aproveitar o espaço, 80% ocioso, para abrigar um centro cultural nos moldes do Museu da Língua Portuguesa.

Nascido em Anápolis, Meirelles chegou a São Paulo aos 17 anos para estudar Engenharia Civil na USP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.