O bedel da notícia

Reino desunido

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2012 | 03h03

A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, está esperançosa! Periga o similar britânico Jeremy Hunt cair do cargo antes dela.

Rio+feriadão

O carioca só começou a se mobilizar para a Rio+20 depois que o prefeito Eduardo Paes decretou feriadão de cinco dias na cidade, entre 20 e 24 de junho. O meio ambiente agradece o tanto de gente que vai pegar estrada para sair da cidade durante a Conferência da ONU.

Ô, raça!

Nicolas Sarkozy tem ainda uma carta na manga para seduzir o eleitor xenófobo em busca do voto ultradireitista: a guilhotina para imigrantes é um velho sonho dos marqueteiros do presidente.

Nada a ver

A coluna de ontem creditou ao Liverpool a desclassificação do Real Madrid, que, como todos sabem, caiu diante do Bayern de Munique na Copa dos Campeões. O colunista devia estar pensando no show do Paul McCartney em Florianópolis quando trocou as bolas. Perdoem-no!

Vai em paz

O que apareceu de sogra chorando no velório do Dicró dá bem uma ideia do quanto o sambista era querido no Rio. A irreverência está de luto!

Hora da verdade

O tal relógio suíço com que Lula acerta seus ponteiros com Dilma Rousseff pode ter sido comprado por dona Marisa Letícia na 25 de Março. Não à toa, amigas da ex-primeira dama estão preocupadas com a CPI do Cachoeira!

Ele voltou! O caçador de marajás reencarnou no papel que Fernando Collor define como "bedel" da CPI do Cachoeira, prometendo redirecionar sua mira para os jornalistas que cobrem os trabalhos da Comissão no Senado.

O alvo agora é o furo de reportagem!

Se pegar algum "rabiscador" garimpando notícia na fonte dos vazamentos de informação oficial, já viu, né? Vai ter coleguinha dando a mão à palmatória ou ajoelhando no milho.

Mais conhecido pela garotada de hoje em dia como "inspetor" ou "monitor", o "bedel" é aquele cara encarregado de manter a ordem nos espaços comuns do colégio.

São funções dele vigiar, censurar, zelar pela disciplina e dedurar à coordenação da escola quem sair da linha.

É o tipo de mal necessário que de uns tempos pra cá costuma ser qualificado para exercer sua autoridade com instrução pedagógica, mas no tempo em que Collor era estudante, quase todo bedel tinha princípios e métodos próprios de quem não bate muito bem das ideias.

O olhar, em geral, denunciava o tipo de loucura de cada um e nesse aspecto, convenhamos, o senador tem tudo para cumprir o papel a que se propõe na CPI. Os jornalistas que se preparem!

Sopa no mel

O advogado Márcio Thomaz Bastos está encontrando dificuldades para contratar uma boa assessoria de imprensa para a mulher de Carlinhos Cachoeira, Andressa Alves Mendonça (foto). Será que já tentou a Alicinha Cavalcanti? Algo me diz que elas vão se dar superbem!

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.