O arrastão da arbitragem

Exemplo republicano

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2012 | 03h02

Os marqueteiros do PSDB buscam um ator que possa fazer papel de Clint Eastwood na campanha de José Serra em São Paulo.

Fonteles espetacular

Faltou perna no fim da prova para o ídolo sul-africano Oscar Pistorius superar o brasileiro Alan Fonteles nos 200 metros rasos para amputados na Paralimpíada de Londres.

Quer que desenhe?

Para não levantar suspeitas sobre uma possível farsa na contusão que afastou Ganso da rodada de fim de semana, o médico do Santos caprichou no diagnóstico: "Lesão no músculo da transição da região miotendínea proximal do tendão reto femoral da coxa esquerda".

Insustentável

O PT e o PSB têm bons motivos para cultivar mutuamente o rompimento entre as siglas. Aliança política no Brasil não é coisa que se faça com parceiros de ideias e propósitos semelhantes.

Bicho errado

Dizer que, depois da vaca e do rinoceronte, "é a vez do porco", francamente, parece gozação de corintiano! São Paulo deveria esperar uma fase melhor do Palmeiras para adotar o animal-símbolo do clube em projeto de arte nas ruas.

Sempre Gabriela

Quase acaba em confusão a meditação coletiva dos cariocas com o guru indiano Sri Sri Ravi Shankar. Alguém atrás de Juliana Paes na plateia não conseguiu controlar a respiração. Se o marido dela não fosse um cara da paz, já viu, né?

É tão absurdo quanto alguém, vítima de arrastão em pizzaria, imaginar que os assaltantes só estariam interessados no seu relógio de pulso.

Todo dirigente de clube de futebol no Brasil sente-se particularmente roubado pelos erros grosseiros de arbitragem cometidos indistintamente contra este ou aquele time no atual campeonato.

Não há rodada do Brasileirão em que uns e outros não acusem o juiz desta ou daquela partida, sem que ninguém trate a crise do apito como um problema técnico a ser resolvido pelos próprios cartolas.

A suposição de má-fé na série impressionante de equívocos em campo está sempre à frente da possibilidade mais razoável de despreparo generalizado para o exercício da função.

Esses caras devem estar ganhando mal, transformando a atividade em bico, sem tempo para estudar as regras ou cuidar da forma física, sei lá, mas quem liga para isso?

Contanto que só erre na marcação de pênaltis e impedimentos contra os outros, tudo bem para quem manda no futebol dos clubes brasileiros.

No fundo, no fundo, árbitros e dirigentes estão à altura uns dos outros. O torcedor é que merecia coisa melhor nos seus fins de semana!

Muy amigo

José Dirceu espera receber um bom punhado de amigos durante o feriadão em sua casa de Vinhedo, no interior de SP. O ex-ministro não aguenta mais ficar fazendo sala sozinho para o jornalista e escritor Fernando Morais (foto) enquanto aguarda o julgamento do mensalão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.