O aroma certo para cada canto da casa

Mercado tem de essências importadas para guarda-roupa até abajur que libera fragrância

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

14 Abril 2012 | 03h05

Toda noite, a arquiteta Carmen Silvia Salaroli, de 37 anos, borrifa perfume de capim santo nos lençóis. Ela garante que ajuda a relaxar. No escritório, ela prefere spray de lavanda. "O ambiente ganha frescor", diz Carmen, que também costuma indicar aromas específicos para as casas de clientes. "O cheiro do ambiente é tão importante quanto a iluminação", ensina.

Hoje há aromas específicos para cada canto da casa. Perfumes para gavetas, guarda-roupas, tecidos e ambientes são feitos muitas vezes com essências importadas, de maior fixação. No mercado já existem até aromatizadores com perfumes orgânicos, como o Yin Bed & Body Mist (R$ 69,90), da Ritual Cosmetics.

A tendência do "cheirinho gostoso" ganhou outros setores da decoração. O designer Vitor Penha, por exemplo, desenvolveu um abajur de voil que solta um perfume de madeira exalado com o calor da lâmpada. A peça faz parte de uma coleção de luminárias do artista, batizadas com nomes de bairros da cidade. Esse é uma homenagem à Mooca. Custa R$ 3.120.

Não faltam produtos criativos. Tem até vela perfumada que vira óleo de massagem. É o caso da Candlelight (R$ 360). Feita de cera de palma e manteigas de lavanda, tangerina e sal, ela pode, depois de derretida, ser usada ainda morna no corpo. O fabricante avisa que não se pode deixar esfriá-la.

Com um apelo mais sofisticado, mas também decorativo, vidros de lamparinas com perfumes especiais viram quase uma peça de arte em casa. A Lampe Berger Paris já trouxe cem modelos para o Brasil. Em 1898, o farmacêutico Maurice Berger fez uma lamparina para purificar ambientes hospitalares. Mas depois seus vidros ganharam assinaturas de Baccarat, René e Lalique, marcas conhecidas pelo trabalho requintado em cristais.

O vidro e o perfume são vendidos separadamente. As lamparinas custam a partir de R$ 220. Duas fragrâncias chegaram à loja Conceito: FirmaCasa, Fleur d'Oranger e Poussière d'Ambre (R$ 68, 180 ml), perfumes desenvolvidos para os hotéis de Crillon e Plaza Athénée, em Paris.

Hotéis luxuosos e lojas de grifes costumam desenvolver aromas exclusivos, que passam a fazer parte da identidade da marca. E costumam comercializar seus frascos. "Os aromas podem trazer energia, calma e até mesmo sofisticação", diz Miriam Penteado Kuhlmann, de 52 anos, diretora da Antik, da empresa La Façon, pioneira no setor de perfumes para ambientes. "Isso tem a ver com a memória olfativa, que relaciona aromas com lugares e acontecimentos."

Aromaterapia. Segundo Miriam, aromas como as ervas dos chás possuem poderes terapêuticos. "Essências amadeiradas dão conforto e as cítricas, energia. Já as de especiarias trazem à tona a sensualidade."

Difusores e sprays são os produtos mais comuns encontrados nas lojas. E há diferença entre os dois. "O primeiro libera um aroma constante. Fica mais tempo no ar. O segundo - o spray - fica mais forte apenas no início, depois vai ficando suave", explica Miriam, que ainda dá uma dica boa na hora de escolher um aromatizador. "Espirre o perfume no pedaço de papel e guarde dentro da bolsa. Se o aroma continuar depois de cinco horas, trata-se de um produto bom. Daí é só escolher o aroma preferido."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.