O acordo da discórdia

Mal recuperado do que viu acontecer com a coerência na seleção, o brasileiro assiste, atônito, à desmoralização do acordo no noticiário internacional. A mesma decepção que vitimou o pensamento lógico a partir de seu emprego no raciocínio do técnico Dunga ameaça atingir em cheio o conceito clássico de entendimento, depois dos esforços de paz do presidente Lula no Irã. Desde então, quando o assunto é "o acordo", ninguém se entende. Tem gente que acredita, e tá acabado! Tem gente que não acredita - e pronto! Fora a turma que põe em dúvida a arbitragem.

, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2010 | 00h00

A regra, no caso, não é clara! "Precisa ver se o juiz deu o gol mesmo ou se houve impedimento", apitou FHC, em cima do muro e do lance que transformou a diplomacia brasileira em conversa de botequim regada a combustível nuclear iraniano enriquecido na Turquia. Enquanto os mais sóbrios aguardam o tira-teima do acordo, as torcidas organizadas acusam vexame, de um lado, e gol de placa, de outro. Tem ainda aquele tipo que, sem cantar vitória, comemora o resultado pelo vício de achar bom negócio qualquer empate fora de casa.

Tomara que, quando começar a Copa, não seja tão complicado perceber se o Brasil está ganhando ou perdendo em dia de jogo da seleção.

Ex-desaparecido

José Dirceu foi, finalmente, localizado em Nova York! Seus amigos na

Disney já estavam ficando preocupados com o sumiço do ex-ministro.

Cabeça feita

"Que diabos o Cesar Maia anda fumando?"

FERNANDO GABEIRA, AO OUVIR O EX-PREFEITO COMPARÁ-LO A D. PEDRO II

...E o vento levou

O chanceler Celso Amorim não sabe ainda como dizer a Lula, mas a verdade é que ele perdeu o fio de bigode que o presidente conseguiu arrancar de Ahmadinejad como garantia de cumprimento do acordo sobre combustível nuclear.

Questão de hábito

José Serra precisa urgentemente fazer um curso para aprender a se sentir à vontade vestido em roupas esportivas. Sem terno, o tucano parece estar nu. Repara só!

À la Dunga

De Felipe Melo, sobre sua disposição na Copa do Mundo: "Se for preciso, darei carrinho de cabeça!" É o tipo de coisa que o Ganso não sabe fazer.

Custo/benefício

O DEM perdeu pelo menos um representante de peso no Congresso após as cirurgias em série de redução do estômago no partido. Os senadores Demóstenes Torres e Heráclito Fortes ocupam juntos, agora, o lugar onde só cabia um deles no plenário.

Salto alto

A reviravolta nessa última rodada das pesquisas de opinião subiu à cabeça de Dilma Rousseff. A candidata está quase loura - repara só!

Não custa nada, né?

Quando, afinal, Lula vai à Tailândia tentar um acordo com os camisas vermelhas acuados por militares no centro de Bangcoc?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.