O 3º centenário da cidade

Que a data não passe em branco nesta cidade do pedestre desmemoriado, do apressado sem tempo para ver e namorar. A segunda-feira, dia 11 de julho, será o dia do 3.º centenário da elevação de São Paulo de vila a cidade por ato do rei dom João V. Quem se lembrará de uma dama tão velha, no descabido desleixo pelos dias de esplendor e charme, que ainda se mantém jovem e bela no coração dos que a amam? São Paulo é a cidade dos encantos ocultos, da beleza fina e provocante que se esconde nas rugas do tempo, nas dobras de esquina, nos recantos que a guerrilha da memória mantém aqui e ali para serem vistos pelos que sabem ver, os amigos, os que foram perfilhados por essa imensa família que se espreguiça todos os dias entre os limites dos seus rios históricos - o Tamanduateí e o Anhangabaú, o Tietê e o Pinheiros. Depois de 457 anos de fundação e 300 anos de cidade, ainda nos movemos no abrigo dessa fortaleza antiga, que um dia já teve muros de taipa socada, baluartes e sinos de rebate.

José de Souza Martins, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2011 | 00h00

Foi só naquele século 18 que São Paulo começou a chegar ao mundo propriamente urbano. Ainda é possível passear por ela, pelo traçado de ruas que daquele século nos restam. Ainda é possível orar e meditar nos mesmos cenários ou diante dos mesmos altares que plasmaram um barroco residual na vida dos paulistanos. Ainda é possível encontrar os mesmos santos cujos olhos já contemplaram aflitos pecadores daqueles tempos do início da era do ouro, que os paulistas descobriram, mas não levaram: mamelucos de botas pesadas e espada à cinta; índios administrados em vésperas da liberdade fictícia que lhes seria concedida em 1758 para viabilizar a escravidão negra mais lucrativa; escravos negros que vinham chorar seu banzo na escarpa fria de Piratininga para abrir ao mundo a nova economia da cana-de-açúcar que não lhes adoçou a vida e do ouro abundante das Gerais e do Goiás que não lhes dourou a existência.

Vejo esses olhos setecentistas quando visito o Cristo agônico, de 1777, na Igreja de São Bento, ali ao pé da capela do Santíssimo. Ou os olhos de Santo Antônio, no altar de 1780, em sua igreja da Praça do Patriarca. Ou quando visito a alma de escravos e enforcados, a alma da injustiça, na capelinha dos Aflitos, de 1779, na Rua dos Estudantes, na Liberdade tão tardia.

Capitão-mor da tropa. São Paulo tornou-se cidade a requerimento dos povos, como se dizia em 1711, quando a Câmara paulistana pediu ao rei que o fizesse. Eram os tempos da Guerra dos Emboabas, do nosso nativismo, começo de quando deixávamos de ser os brasis para ser os brasileiros. Ao partir para combater os reinóis das Gerais, o capitão-mor da tropa de São Paulo em 1709, Amador Bueno da Veiga, disse à Câmara que marchava "por bem da pátria" e para que "não vexassem os paulistas". Os tempos eram outros. Q

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.