Nuvem vulcânica volta e empresas cancelam voos

Na noite de ontem, autoridades argentinas lançaram alerta sobre uma nova nuvem vulcânica vinda do Chile que está afetando as operações aéreas no país. Semelhante às cinzas que prejudicaram centenas de voos na semana passada no sul do continente, a pluma formada a partir das erupções no complexo vulcânico Puyehue-Cordón Caulle gerou o cancelamento de dezenas de voos argentinos desde a noite de ontem. Fortes ventos carregam a nuvem para o norte argentino, o que pode afetar novamente o céu do Rio Grande do Sul.

Lucas Azevedo, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2011 | 00h00

Às 23h de ontem, TAM e Gol informaram o cancelamento de voos para Argentina e Uruguai previstos para a manhã de hoje.

Em comunicado, a Aerolíneas Argentina explicou que, devido ao prognóstico das cinzas sobre a região metropolitana de Buenos Aires emitido pelo Serviço Meteorológico Nacional e informações da Aministração Nacional de Aviação Civil do país, cancelaria voos de partida e chegada nos aeroportos de Ezeiza e Aeroparque até as 14h de hoje. Segundo a nota, 19 voos foram afetados, incluindo os que tinham o Brasil como origem ou destino.

A LAN Argentina informou que as cinzas afetaram, desde as 20h de ontem, nove voos - um deles saindo de São Paulo.

De acordo com o comunicado da Administração Nacional de Aviação Civil da Argentina, "as cinzas voltaram a piorar as condições meteorológicas no centro do país". O relatório destacou que haveria "cinzas em suspensão sobre a zona central" da Argentina, limitando voos a partir das 21h de ontem.

Segundo a empresa de meteorologia MetSul, que monitora o trajeto da nuvem via satélite, as cinzas estão se deslocando em alta velocidade e podem ingressar em território brasileiro hoje. "A circulação de vento muito intensa está jogando esta nova nuvem de cinzas rapidamente em direção ao Centro e o Norte da Argentina", afirmou o meteorologista Fernando Nachtigall. "O cenário preocupa porque imagens de satélite de hora em hora indicam a nuvem vulcânica avançando pela província de Buenos Aires com maior densidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.