Número de mortes pela chuva na região Sudeste chega a 82

Rio de Janeiro é o Estado mais afetado, com 69 mortes, sendo 47 em Angra, cidade mais castigada pelo temporal

REUTERS

04 Janeiro 2010 | 11h26

 

Pelo menos 82 pessoas morreram por conta de deslizamentos de terra e inundações causadas pelas fortes chuvas desde o dia 30 de dezembro em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, segundo informações dos órgãos de Defesa Civil divulgados nesta segunda-feira. O Rio de Janeiro é o Estado mais afetado, com 69 mortes, sendo 47 em Angra dos Reis, cidade mais castigada pelo temporal.

 

Veja também:

especial Mapa mostra locais afetados

Na cidade, que costuma receber quantidade significativa de turistas nas festas de fim de ano, deslizamentos de terra mataram 17 pessoas no Morro da Carioca, na região continental da cidade, e outras 29 na Ilha Grande, onde o deslizamento de uma encosta destruiu casas e parte de uma pousada.   As buscas por desaparecidos prosseguem nesta segunda-feira na cidade.

"A expectativa é de encontrarmos mais duas pessoas (que estão desaparecidas no Morro da Carioca)", disse à Reuters o coronel Jerri Andrade Pires, comandante do grupamento de bombeiros de Angra dos Reis.

As chuvas também provocaram mortes na cidade do Rio de Janeiro (11), Magé (4), Duque de Caxias (1), Belford Roxo (2), São João de Meriti (2) e Niterói (2).

Em São Paulo, os temporais mataram 10 pessoas desde o dia 1º de janeiro - seis na cidade de Cunha e quatro em Guararema. Na cidade mais atingida pelas chuvas no Estado, São Luiz do Paraitinga, não foram registradas mortes, mas 4 mil pessoas ficaram desabrigadas.

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), visitou a cidade no domingo e prometeu ajuda do governo estadual na reconstrução do centro histórico da cidade, que, entre outros pontos turísticos, conta com duas igrejas construídas no século 19.  Outras três pessoas morreram na cidade mineira de Juiz de Fora, de acordo com a Defesa Civil de Minas Gerais.

Mais conteúdo sobre:
CLIMA CHUVAS ANGRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.