Número de atrasos atinge mais de 300 vôos em todo o País

Fechamento de Congonhas pela manhã complica ainda mais a situação dos aeroportos

20 de julho de 2007 | 16h11

O número de atrasos aumentou no começo da tarde desta sexta-feira, 20, nos aeroportos do País, segundo informações da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Até as 15 horas desta sexta, 373 vôos atrasaram e 134 foram cancelados entre os 1.137 vôos previstos, segundo a Infraero.O maior número de problemas foi registrado no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Isso porque, desde o acidente com o Airbus A-320 da TAM, o terminal aeroportuário opera apenas com a pista auxiliar. Diante disso, nesta sexta-feira, data de bastante movimento de passageiros, 65,6% dos vôos programados apresentam atrasos ou foram cancelados. Segundo boletim da Infraero, dos 157 vôos programados para esta sexta, entre as 6 e 15 horas, 47 foram cancelados (29,9%) e 56 apresentam atrasos superiores a uma hora, o que corresponde a 35,6% do total. Os vôos com destino a São Paulo começaram a se normalizar por volta das 14 horas, segundo informações do Serviço de Comunicação da Aeronáutica, após ficar suspenso por cerca de 40 minutos. Entre 11h30 e 12h30 horas, todas as decolagens com destino a Congonhas haviam sido suspensas, com o objetivo de reorganizar a malha aérea, que estava sobrecarregada por conta do fechamento de Congonhas pela manhã. Às 11h50, os Cindactas 3 e 4, em Manaus e Recife, responsáveis pelos vôos do Nordeste, liberaram as decolagens para o Estado de São Paulo. Às 13 horas foi a vez dos Cindactas 1 e 2, em Brasília e Curitiba, que controlam os vôos da região sul, sudeste e centro-oeste, de liberar os vôos para São Paulo. "Procure a companhia" O fechamento de Congonhas criou uma situação atípica nos painéis de informação do aeroporto. Ao invés da mensagem de atraso, 26 vôos da Varig e da TAM tinham um aviso de "procure a companhia aérea". Esses vôos estavam com atrasos superiores a 5 horas ou foram transferidos para Cumbica, em Guarulhos, ou Viracopos, em Campinas.  No primeiro fechamento do aeroporto, às 6 horas, a Infraero alegou que os pilotos preferiram não pousar no local por causa da baixa visibilidade. A Infraero não descartou a hipótese de que as aeronaves não pousaram por causa da "pressão psicológica" causada pelo acidente da TAM. Já no fechamento da tarde, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (Cecomsaer) informou que o espaço aéreo do aeroporto estava congestionado. Durante esse período não houve decolagens e apenas os aviões que sobrevoavam o aeroporto puderam pousar. Nesta pausa, um técnico da Airbus, junto com especialistas da Aeronáutica e da Infraero, realizou vistoria técnica da pista principal. Fabiana Marchezi, do estadao.com.br, Anne Warth,  da Agência Estado, e Bruno Moreschi, do Estadão Matéria ampliada às 16h29

Tudo o que sabemos sobre:
atrasos em vôoscrise aérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.