Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Acidente cai 18% nas Marginais, diz CET

Redução foi maior nos casos com mortos e feridos (27%), enquanto lentidão nas vias ficou 12% menor após redução da velocidade

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

03 de setembro de 2015 | 12h44

Atualizada às 21h41

SÃO PAULO - Um estudo da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) revelou que o número de acidentes com vítimas caiu 27% após seis semanas da implementação da redução da velocidade nas Marginais do Tietê e do Pinheiros, em comparação com o mesmo período do ano passado. Houve 159 casos com mortos e feridos em 2014 e 116 neste ano. A lentidão no trânsito das Marginais também registrou queda: 12%. O número total de acidentes, incluindo aqueles sem vítima, foi de 532 no ano passado ante 433 em 2015, uma queda de 18,6%. Os dados foram revelados pelo jornal Folha de S. Paulo

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse que a expectativa é reduzir ainda mais os números nos próximos meses. Apesar da “contrainformação grande”, da “ignorância” e da “má fé” dos contrários à mudança, segundo Haddad, há depoimentos de motoristas que começam a admitir que a decisão foi correta. “É um processo educativo. Eu já colho depoimentos de pessoas que têm coragem de admitir que a Marginal está melhor. Já existem essas pessoas que falam que, de fato, está melhor trafegar pela Marginal e pela cidade.” 

A extensão da lentidão nas Marginais do Tietê e do Pinheiros registrou redução média de 12% em relação a 2014. “A partir do momento em que está todo mundo mais atento, você melhora a condição de trafegabilidade. O reflexo responde mais rapidamente em função de uma velocidade menor. Com menos acidentes, mais faixas de rolamento liberadas”, explicou o prefeito. 

A maior queda de lentidão - de 22% - ocorreu no pico da tarde, passando de 48,8 quilômetros para 38,1 quilômetros. No pico da manhã, ela caiu 8%. Já na cidade inteira, a redução média do congestionamento foi de 7%, com destaque para o pico da tarde, cuja extensão caiu 19% “A ciência existe justamente para isso: contrariar o senso comum e fazer ver que o mundo é de outro jeito. Se fosse só pelo senso comum, o Sol estaria girando ao redor da Terra até hoje”, disse Haddad. 

Segundo o prefeito, cidades que também reduziram a velocidade das vias, como Londres, Paris e Nova York, também apresentaram queda no número de acidentes e na lentidão do tráfego. 

Análise. O professor da Fundação Educacional Inaciana (FEI), Creso de Franco Peixoto, disse que a ação da Prefeitura é correta, mas ainda é cedo para concluir se a redução da velocidade alivia os congestionamentos da cidade. 

De acordo com Peixoto, os motoristas que costumam exagerar na velocidade passaram a utilizar vias paralelas às Marginais ainda não monitoradas, o que pode ter migrado os acidentes com vítimas para a região do entorno. 

“Com o passar do tempo, teremos outras vias com redução para 40km/h e para 30km/h, aí vamos poder ter certeza se houve melhoria no tráfego. Existem vias paralelas que ainda não têm caráter de imposição da redução”, afirmou. “Ainda é cedo para concluir porque os dados estão incompletos”.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.