Nudez no Oficina vira briga de família

Diretora de vídeo que acompanha a peça 'Dionisíacas' perde guarda do filho porque, segundo o pai, criança viu cenas inadequadas

Paulo Sampaio, O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2010 | 00h00

Em um indignado manifesto de duas páginas que circula pela internet, o diretor do Teatro Oficina, José Celso Martinez Corrêa, pede atenção da sociedade para "a enorme injustiça que se está cometendo" com a diretora de vídeo Elaine César, de 42 anos. Ela perdeu a guarda do filho de três anos depois que o pai alegou na Justiça que o garoto foi exposto a cenas de sexo e nudez inadequadas para uma criança.

Referia-se ao espetáculo Dionisíacas, dirigido por Zé Celso, em que os atores aparecem nus e que Elaine acompanhou em uma turnê por sete capitais do Brasil. O processo corre em segredo de Justiça na 9.ª Vara de Família.

"Não estou suportando. Esse caso não é diferente do de Sakineh (Mohamadi Ashtiani, condenada à morte por apedrejamento), no Irã, de Liu Xiaobo (ganhador do Nobel da Paz deste ano), na China, e de Julian Assange (do WikiLeaks), na Inglaterra", escreveu Zé Celso no manifesto. No momento, o menino está morando com o pai, o designer gráfico Rafael Gonçalves, de 39 anos, em Brasília. O diretor do Oficina acredita que "esse rapaz é um Oficinofóbico e está fazendo muito mal ao filho". "Outro dia, o menino perguntou a Elaine: "Mãe, por que você é louca?""

Ajuda. Em sua indignação, Zé Celso procurou o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) e pediu que ele tentasse intervir por meio de um amigo em comum do pai do garoto. Suplicy acha que "o Rafael precisa olhar para o caso sob uma perspectiva humanitária". Para o senador, que assistiu ao espetáculo, "seria importante que o pai do menino entendesse a liberdade artística que existe historicamente no Oficina". "Não se trata de pornografia. No dia em que eu estive no teatro, havia crianças na plateia."

Segundo Elaine, o material de um documentário que ela está fazendo sobre o Oficina foi confiscado em sua casa. "O pior é que a juíza que examinou as fotos e vídeos é conservadora. Há registros de um banho de chocolate que os atores tomam sem roupa no final de uma cena do banquete. É teatro. Eu entendo que, para quem não frequenta, choca."

Ela diz que o filho sempre a acompanhou e brincava com as outras crianças na coxia. "Meu Deus, todas as grandes atrizes levaram um dia seus filhos para o teatro!", argumenta.

Ciúme. Elaine afirma que o ex-marido pediu a guarda do filho por ciúme de seu atual companheiro, o ator Frederic Stephan, de 30 anos, de quem ela se aproximou durante a turnê. "Ficamos juntos pela primeira vez em Belém. Mas o casamento tinha acabado muito antes de eu viajar com a peça, não sentia mais atração por ele (Rafael). Nada."

Nos últimos 90 dias, além de perder a guarda do filho, Elaine ficou grávida e descobriu que está com um linfoma. Internada em um hospital para se submeter a exames, ela parece tranquila para quem foi diagnosticada há uma semana. "Minha determinação agora é tanta que nem sinto dor. Não posso fraquejar. Estou concentrando todas as minhas energias na recuperação do meu filho", diz ela, grávida de três meses. A quimioterapia começou no sábado. "O médico disse que vou ficar derrubada. Não quero que meu filho me veja daqui a 15 dias."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.