Novos prédios começam a mudar cara do centro

Com foco em apartamentos menores, retomada de investimento na região teve início em 2010, após fim de terrenos em outros bairros

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

10 Março 2013 | 02h01

A cara do centro está mudando - e antes mesmo que os planos de revitalização prometidos pelo poder público saiam do papel. Morar no entorno da Praça da República, do Largo do Arouche e do famoso cruzamento das Avenidas Ipiranga e São João agora é "cult", seguro e possível, segundo quem já está lá. Há pelo menos dez empreendimentos em fase de pré-lançamento, construção ou entrega na área. Todos compactos e direcionados a universitários, gays e recém-casados.

A proximidade de linhas de metrô, corredores de ônibus e universidades funciona hoje como o principal chamariz de novos moradores, que sonham em poder trabalhar, estudar ou se divertir sem ter de enfrentar longos deslocamentos no trânsito caótico de São Paulo. Além da mobilidade privilegiada, o crescente conjunto de restaurantes, bares e boates descoladas facilita a vida de quem troca o conforto de bairros residenciais pela agitação do centro.

A retomada de investimentos na área teve início em 2010, depois de o boom imobiliário consumir praticamente todo o potencial construtivo de bairros cobiçados pelo mercado, como Itaim-Bibi, na zona sul. "No centro antigo, ainda há estoque, seja para novos empreendimentos ou reforma de prédios antigos", diz Cláudio Bernardes, presidente do Sindicato da Habitação (Secovi) de São Paulo.

Nos últimos três anos, foram lançadas no centro 9,7 mil unidades residenciais - mais de 2 mil estão no foco de ações de revitalização prometidas por Prefeitura e Estado. Para se ter uma ideia, a zona norte inteira - cuja área é quase dez vezes maior - ganhou 12,7 mil unidades no período.

A Avenida São João tem atualmente dois lançamentos a poucos metros do Largo do Arouche, considerado nos anos 1950 um dos endereços mais "chiques" da cidade. Nas proximidades da Câmara Municipal, a Rua Santo Antônio é outro endereço em transformação. No ano que vem, deve ganhar 629 apartamentos de 34 m² a 116 m². O Edifício Brasil, na frente do Elevado Costa e Silva, o Minhocão, tem a grife do arquiteto Marcelo Rosenbaum e é uma das apostas do mercado.

"As plantas foram projetadas de acordo com o novo estilo de viver. Oferecem espaços abertos, sem paredes e com terraço. A demanda é essa agora, muito diferente daquela velha ideia de apartamentos gigantes na região central", diz a arquiteta Adriana Benguela, que participa do projeto. "Foi o nosso primeiro trabalho lá, mas com certeza o potencial é enorme."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.