Novo pátio de aviões em Cumbica ficará pronto em julho

Estrutura vai reduzir a falta de espaço para os aviões enquanto aguardam a decolagem ou logo depois do pouso

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

22 Março 2012 | 03h04

A primeira parte do Terminal 3 do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, vai ficar pronta em julho. Trata-se de um novo pátio de estacionamento de aeronaves que, antes mesmo de o terminal sair do papel, pode ajudar a desafogar um dos principais gargalos do aeroporto: a falta de espaço para os aviões enquanto aguardam a decolagem - ou logo depois do pouso.

Com mais de 300 mil m², o espaço deve aumentar em mais de 50% a capacidade de pátio de Cumbica, que hoje tem 51 "vagas" para aeronaves. Quando lota, os pilotos de avião são obrigados a dar voltas no céu enquanto aguardam a autorização de pouso, algo corriqueiro no aeroporto - e um dos fatores apontados por especialistas como responsável pelos atrasos nos voos.

O pátio está sendo construído pelo Batalhão de Engenharia do Exército para o Terminal 3, mas a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) não descarta usar a infraestrutura para os Terminais 1, 2 e 4 já existentes. O Terminal 3 só deve entrar em operação na Copa de 2014, com apenas 40% da capacidade prometida, de 8 milhões de passageiros por ano. Os 100% são prometidos para 2016.

Fora o pátio, o Terminal 3 deverá ser construído pela Invepar, empreiteira que ganhou o leilão do aeroporto em consórcio com a operadora sul-africana ACSA. Como o resultado foi contestado pela Odebrecht, a homologação do contrato que entrega Cumbica para novos donos só deve acontecer no fim de maio. "Se na Copa não tiver terminal, mas tiver pátio, as aeronaves pousam e têm onde estacionar. Se não tivesse nem pátio pronto seria o caos total", diz o coronel engenheiro Carlos Alberto Maciel Teixeira, comandante do batalhão que está fazendo a obra. Amanhã, a procuradora-geral de Justiça Militar, Cláudia Márcia Ramalho Moreira Luz, vai ao aeroporto vistoriar as obras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.