Novo padrão de qualidade é o começo

Análise

Carlos Bocuhy, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2010 | 00h00

O s padrões de qualidade do ar de São Paulo há muito tempo não atendem à proteção da saúde pública. É preciso que os mecanismos legais sejam consubstanciados em políticas públicas. Para se criar uma política para o ar limpo é preciso desestimular o uso individualista dos automóveis e criar mecanismos de exigência e participação social, como a Comissão do Ar Limpo, que estimulem e garantam execução da política integrada. Novo padrão de qualidade do ar é o começo.

MEMBRO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (CONSEMA)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.