Novo Largo da Batata só em 2013

Fim dos tapumes e desníveis está atrasado dois anos e pedestres ainda se arriscam no asfalto

CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2011 | 03h04

Já atrasada dois anos em relação ao prazo original de conclusão, a reforma do Largo da Batata, em Pinheiros, na zona oeste da capital, deve acabar só daqui a mais de um ano e meio, em 2013. É essa a nova meta estabelecida pela gestão Gilberto Kassab (PSD) para o término da requalificação urbana, que inclui a construção de uma esplanada e de um terminal de ônibus.

Até lá, pedestres, comerciantes e moradores do entorno deverão seguir convivendo com calçadas esburacadas, lixo e entulho acumulado nos cantos dos tapumes, além de desníveis que interferem na mobilidade. "Várias calçadas daqui pioraram depois do início das obras, que estão paradas há um bom tempo", diz o garçom Alcimar Fernandes de Oliveira, de 37 anos, que passa todos os dias a pé pela Rua Fernão Dias para ir e voltar do trabalho. Anteontem, a reportagem viu várias pessoas preferindo andar pelo asfalto, perto dos carros, a ter de enfrentar a lama acumulada no passeio inacabado.

A São Paulo Obras (SP Obras), ligada à Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras, informou que a segunda etapa do projeto, orçada em R$ 146 milhões, vai começar a sair do papel neste mês, depois da assinatura do contrato com o consórcio Carioca/Construbase, vencedor da licitação para tocar a reforma.

Sem sinalização. Na avaliação da jornaleira Lúcia Barreto, de 53 anos, que tem uma banca na Avenida Faria Lima, a maior dificuldade é encontrar o ponto de ônibus certo. "O pessoal fica totalmente perdido porque as paradas são mal sinalizadas."

A ausência de pontos de ônibus perto dos acessos da Estação Faria Lima do Metrô também causa complicações. "Quem sai do metrô tem de andar uns dez minutos e atravessar umas quatro faixas só para chegar ao ponto de ônibus da avenida. É muito longe", afirma a doméstica Maria Marques, de 53 anos.

De acordo com a São Paulo Transporte (SPTrans), quando a obra do terminal de ônibus na Rua Gilberto Sabino, ao lado da Estação Pinheiros do Metrô e da CPTM, estiver pronta, 26 linhas que servem a região vão operar lá, trazendo "mais conforto e segurança". Sob esse terminal, haverá uma garagem subterrânea para 400 veículos. A construção deve acabar em setembro do próximo ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.