Novo decreto amplia área do Parque Augusta

Escola que ocuparia 7,6 mil m² do terreno de 25 mil m² na região central da capital será instalada em imóvel vizinho

LUISA ALCALDE / JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

13 Março 2012 | 03h07

O futuro Parque Augusta, na região central, vai ficar maior. Novo decreto da Prefeitura ampliou o tamanho da área verde. O parque passará de 16,4 mil metros quadrados para quase 25 mil m². A medida atende a uma reivindicação antiga dos moradores da Consolação: transformar todo o espaço em área verde.

A Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Patrícia Galvão, prevista para ser construída no terreno, agora será instalada na Rua João Guimarães, ao lado.

O terreno está localizado entre as Ruas Augusta, Caio Prado e Marquês de Paranaguá e, desde 2008, já é uma área de utilidade pública. O decreto daquele ano previa a transferência da Emei, com 470 alunos, para o parque.

A nova decisão foi publicada no Diário Oficial da Cidade de sábado e alterou o decreto do prefeito Gilberto Kassab (PSD). O documento vale por cinco anos. Somente a desapropriação da área, avaliada em R$ 33 milhões na época, permite a criação do parque, o que não ocorreu e preocupa moradores.

A diretora jurídica da Sociedade dos Amigos do Bairro de Cerqueira César (Samorcc), a advogada Célia Marcondes, lembrou que esse prazo está perto de terminar. "Ao mesmo tempo em que não dá esse passo (desapropriação), a Secretaria do Verde vai ouvir a proposta que uma incorporadora tem para erguer torres no terreno", afirmou.

No dia 22 deste mês, haverá uma apresentação pública sobre o destino que o setor imobiliário pretende dar à área. A Samorcc promete protestar novamente.

A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente informou que a intenção da Prefeitura de instalação do parque está inalterada. A pasta disse que a Secretaria de Negócios Jurídicos realiza estudos sobre o valor do terreno para desapropriá-lo.

Em 2008, o Conpresp, conselho de preservação do patrimônio, aprovou três torres, com a preservação das 600 árvores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.