Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Novo apagão afeta 20 bairros e mais de 1 milhão de pessoas

Pane em subestação de energia deixa às escuras 318 mil imóveis das zonas norte, oeste e central, para metrô e tumultua o trânsito

Eduardo Reina, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2010 | 00h00

Se não bastasse a chuva que caiu no fim da tarde, bem na hora do rush, pelo menos 20 bairros das zonas oeste, norte e central de São Paulo também sofreram um apagão entre as 17h47 e as 18h20 de ontem. Cerca de 1,2 milhão de pessoas foram afetadas, em 318 mil imóveis, e duas linhas do Metrô precisaram ser paralisadas.

Os 33 minutos de blecaute foram provocados por problemas na subestação Pirituba da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP), na zona norte da capital. Ficaram às escuras os bairros de Perdizes, Pompeia, Barra Funda, Casa Verde, Freguesia do Ó, entre outros. Nas Avenidas Paulista, Sumaré, Rebouças, São Luís, Inajar de Souza, Francisco Matarazzo, Engenheiro Caetano Álvares, Rudge, Ermano Marchetti, Raimundo Pereira de Magalhães e Edgar Facó, entre outras, os semáforos apagados aumentaram os transtornos aos motoristas. O Elevado Costa e Silva ficou intransitável nos dois sentidos.

A CTEEP faz a transmissão de energia elétrica para a Eletropaulo distribuir aos consumidores. O problema teve início, segundo a Companhia, quando houve o desligamento de um transformador da subestação de Pirituba.

"Foi uma fatalidade", disse o gerente do Departamento de Operação da CTEEP, Carlos Ribeiro. "O problema em uma bucha de porcelana em um dos quatro transformadores causou um vazamento de óleo, que acabou desligando o equipamento." Segundo Ribeiro, a subestação consegue operar com apenas três dos quatro transformadores funcionando. O que vazou deve ser substituído em no máximo 48 horas.

Ele só foi completamente religado às 18h20, quando a cidade já sofria os transtornos. Às 17h42, cinco minutos antes do problema em Pirituba, os trens nas Linhas 2-Verde e 3-Vermelha deixaram de circular. Os passageiros ficaram dentro dos trens por alguns minutos. A paralisação foi momentânea, segundo a direção do Metrô, entre as Estações Vila Madalena e Ana Rosa, da Linha Verde, e entre Barra Funda e Marechal Deodoro, na Vermelha. Segundo o Metrô, a operação foi restabelecida em seguida.

Prejuízos. Edson Baialuna, de 58 anos, assistente social, trabalha na Avenida São João e desistiu de ir para casa quando já estava dentro do ônibus que seguia para Perus, na zona norte, onde mora. "Peguei o ônibus na Avenida Rio Branco e ele andou dois quarteirões em 50 minutos. Desisti."

Pelas ruas da região central, ninguém conseguia entrar ou sair dos carros. Panes em semáforos no entorno da Praça da Sé e perto da Praça da República ampliaram o caos.

Marília de Oliveira Castanho, enfermeira no Hospital do Servidor Público, resolveu esperar para voltar para casa. "A fila para pegar meu ônibus para o Limão está virando a rua. Se na primeira chuva já acontece isso, imagine como será em fevereiro?"

Ponte Orca. Ontem, por volta das 19h30, a confusão já tinha se instalado também na Estação Cidade Universitária da CPTM. Quem precisou pegar a Ponte Orca até a Vila Madalena encontrou três quarteirões de fila - e teve de esperar debaixo de chuva. Depois de quase uma hora, o publicitário Rafael Barros, de 26 anos, decidiu pegar um táxi. "Não encontrei nenhum nos três pontos em que passei. O jeito foi ir andando até minha casa, no Sumaré." / COLABORARAM DIEGO ZANCHETTA e NATALY COSTA

TRÊS PERGUNTAS PARA...

Carlos Reis,

PRESIDENTE DO SINDICATO DOS ELETRICITÁRIOS DE SP

1. Estamos em um período que antecede as chuvas fortes na capital. Os equipamentos de distribuição e transmissão de energia elétrica estão em condições de enfrentar mudanças bruscas no tempo? Eles (Eletropaulo) estão trabalhando bastante no programa de manutenção preventiva. Talvez o problema seja menor do que no ano passado.

2. Se houver vento forte, os postes, equipamentos e fiações conseguirão manter-se bem?

Se chover menos do que no fim de 2009 e no início deste ano, os problemas poderão ser menores. Mas sempre haverá queda de galhos, fios e cabos partidos.

3. As equipes de emergência serão capazes de agir rapidamente?Precisamos saber se as equipes de emergência terão gente suficiente, 24 horas por dia, para atuar na cidade. O sindicato sempre reivindicou que houvesse mais eletricistas nessas equipes.

PARA LEMBRAR

A subestação Pirituba da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep), onde ocorreu o problema de ontem, já foi palco de outro grave incidente em abril de 2008, quando um transformador pegou fogo e também interrompeu o fornecimento de energia elétrica para 1,2 milhão de pessoas.

Na época, a secretária estadual de Energia e Saneamento, Dilma Penna, disse que os transformadores do local eram antigos, com mais de 30 anos de uso, e precisavam ser mudados. De acordo com o gerente de Operação da CTEEP, Carlos Ribeiro, os equipamentos passaram por reformas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.