Nove morrem em ação das polícias de SP e MG

Criminosos foram surpreendidos quando explodiram caixas eletrônicos em Itamonte; cinco pessoas ficaram feridas, entre elas dois policiais civis

Bárbara Ferreira Ssantos , Flórence Couto / Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2014 | 02h03

Nove pessoas morreram e cinco ficaram feridas após uma troca de tiros entre policiais paulistas e mineiros e uma quadrilha de assaltantes na madrugada de ontem, em Itamonte, no sul de Minas. Por volta das 2h, os criminosos explodiram caixas eletrônicos de uma agência do Bradesco. Enquanto realizavam o crime, eles foram cercados por policiais que tinham informações do assalto.

Os corpos foram levados para o Instituto Médico-Legal (IML) de São Lourenço, em Minas. De acordo com a Polícia Civil, oito suspeitos mortos eram de Mogi das Cruzes, na Região Metropolitana de São Paulo, e um era de Itanhandu, sul de Minas. Dentre os feridos, dois eram policiais civis. Um deles foi atingido no ombro por um disparo de fuzil. O policial foi socorrido e levado de helicóptero para São Paulo, mas não corre risco de vida.

Mesmo com a cidade cercada, alguns criminosos conseguiram fugir. Quatro homens foram presos, entre eles um dos líderes da quadrilha: Alfredo Luis Mancini, de 25 anos, capturado pela Polícia Civil de Mogi das Cruzes em um condomínio de luxo na cidade de Arujá, em São Paulo.

Com ele foram apreendidos uma moto, veículos e dinheiro manchado com tinta vermelha. Essas cédulas são provenientes do sistema de segurança dos caixas eletrônicos.

Em Itamonte foram apreendidos seis fuzis, espingardas calibre 12, pistolas, dinamites, munições e coletes à prova de bala e 15 bananas de dinamite. A polícia diz acreditar que ainda há entre seis e oito foragidos.

Interação. O delegado-geral da Polícia Civil paulista, Mauricio Blazeck, afirmou ontem que a quadrilha especializada em roubo de caixas eletrônicos foi identificada por um trabalho conjunto com a Polícia Civil de Minas.

"Conseguimos capturar os criminosos por meio de uma força-tarefa das polícias de Minas e São Paulo, que uniram informações do interior e da capital", afirmou.

Há pelo menos dois meses a quadrilha estava sendo monitorada. "Na semana passada, a quadrilha efetuou um roubo no Shopping Serra Azul (em Itupeva, interior de São Paulo), onde quase foram presos. Mas conseguiram escapar", afirmou.

Coordenada pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), a operação teve 45 policiais civis de São Paulo e 20 de Minas. Segundo Blazeck, os criminosos foram localizados por meio de grampos telefônicos. "A polícia sabia os apelidos e os possíveis locais de ação", disse. Mancini era o responsável por distribuir fuzis para o bando.

Rastreamento. A partir de agora, a polícia fará um mapeamento de outros roubos que tiveram ações semelhantes, como o que aconteceu na Riviera de São Lourenço, em Bertioga, no dia 9 de novembro. Na ocasião, 15 homens fortemente armados invadiram um shopping e explodiram cinco caixas eletrônicos, roubaram uma loja, atiraram de fuzil em policiais militares e fugiram de lancha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.