Novas regras para uso de jet skis na capital paulista deve sair em 10 dias

Entre as propostas está a demarcação dos limites de navegação na represa Guarapiranga, na zona sul

estadão.com.br,

06 Março 2012 | 21h54

SÃO PAULO - A Marinha do Brasil e a Prefeitura de São Paulo devem firmar em 10 dias um plano com novas regras para o uso de jet skis (moto aquáticas) na represa Guarapiranga, na zona sul da cidade. O objetivo é aumentar a segurança no local e evitar novos acidentes.

Nesta terça-feira, 6, foi realizada a primeira reunião técnicas com representantes de ambas instituições. Entre as propostas apresentadas estão a divulgação de orientações de segurança, a ordenação do embarque e desembarque nas praias dos jet skis e a demarcação dos limites de navegação dos veículos na represa Guarapiranga.

Atualmente, há quatro parques na orla da Guarapiranga. A maioria dos banhistas fica concentrada nas Praias do Sol e Garujapiranga, que chegam a reunir entre 10 mil e 15 mil pessoas nos fins de semana. O Corpo de Bombeiros já delimita com boias as áreas nas quais é permitido nadar. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) também afasta banhistas de áreas proibidas.

As principais irregularidades identificadas pela Prefeitura são a alta velocidade das embarcações, a direção imprudente e a ingestão de álcool pelos condutores. As operações no local envolverão a Guarda Ambiental, o Corpo de Bombeiros, a Marinha, as subprefeituras da região e a Secretaria de Controle Urbano.

Nesta terça, se reuniram o capitão de Mar e Guerra da Marinha, Ciro Barbosa, os secretários municipais de Coordenação de Subprefeituras, Ronaldo Camargo, de Segurança Urbana, Edsom Ortega, de Controle Urbano, Orlando Almeida, e uma equipe da Capitania dos Portos.

Mais conteúdo sobre:
jet skiGuaruapiranga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.