NOVA YORK INSPIRA REFORMA DO IGUATEMI

Fachada de shopping, com 46 anos, passou por apenas duas intervenções

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2013 | 02h06

O Shopping Iguatemi está de cara nova. A fachada principal, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, ganhou janelões de vidro, seguindo as linhas dos prédios neoclássicos de Nova York. As paredes foram revestidas com a mesma pedra usada na Estátua da Liberdade.

Desde a inauguração, em 1966, o Shopping Iguatemi já passou por inúmeras reformas, motivadas pelas suas consecutivas ampliações. A fachada principal, no entanto, mudou apenas uma vez, em 1980, época da construção do edifício garagem.

"Essa é a segunda reforma da fachada em 46 anos de história do complexo", diz Eduardo Aubrá, gerente-geral do shopping. "A modernização era necessária para que houvesse a integração entre a entrada e as área mais novas, levantadas em 2011." Aubrá se refere ao complexo de 4 mil metros quadrados, onde surgiram os restaurantes Ritz e Rodeio e mais 600 vagas para estacionamento.

Arquitetos do escritório francês Carbondale, em parceria com os profissionais do shopping, desenvolveram o projeto. No paredão de 127 m² da Faria Lima, abriram 19 caixilhos de cada lado das portas principais. "Esta estratégia de design reduz o uso de ar condicionado para as lojas de níveis superiores e melhora o consumo total de energia", explica Eric Carlson, diretor da Carbondale.

Moderno. O Iguatemi foi o primeiro shopping da cidade e nasceu com um projeto moderno, assinado pelos arquitetos Gian Carlo Gasperini e João Henrique Rocha, que desde o início privilegiaram a iluminação natural, mesmo quando isso significava perder áreas locáveis.

Colocaram janelas no fim dos corredores e mesmo nas paredes. Há lojas no shopping com vista para a rua. A entrada, com pé direito alto e duas largas rampas de acesso a pisos diferentes, está lá desde a inauguração. As rampas amplas sobreviveram às sucessivas ampliações e reformas. As novas janelas da frente realçam o projeto original.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.