Nova Tamoios é projetada para 120 km/h

Dersa vai reduzir inclinação de pistas e tornar curvas mais suaves; duplicação, que terá início em março, prevê ainda faixas mais largas

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2011 | 03h00

A duplicação do trecho de planalto da Rodovia dos Tamoios (SP-099) está sendo feita para permitir que veículos rodem a até 120 km/h. Para isso, a empresa Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) vai diminuir a inclinação das rampas da pista nos trechos mais íngremes e suavizar as curvas mais fechadas. O edital para contratação do projeto executivo foi publicado ontem.

Essas alterações não querem dizer, no entanto, que 120 km/h será o novo limite de velocidade da estrada. O presidente da Dersa, Laurence Casagrande Lourenço, diz que o governo do Estado deverá determinar a velocidade posteriormente.

O Rodoanel Mario Covas é um exemplo. Lá, o projeto das pistas pensou em uma rodovia que pudesse ser utilizada com segurança por veículos a até 120 km/h. Mas o limite estabelecido foi de 100 km/h. Estudo de impacto ambiental - que mede também o número de acidentes - na Tamoios mostra que 77% das colisões envolvem carros e 44% acontecem nos fins de semana.

Com a reforma, a Tamoios terá, em cada sentido, duas pistas de rolagem e um acostamento de 3 metros de largura. O canteiro central de 2,5 metros, em forma de mureta, será planejado para evitar que a faixa usada pela rodovia seja mais larga - o que necessitaria de mais desapropriações e ocupação de mata nativa lindeira à pista. A rodovia terá pouco mais de 11 metros de largura.

Lourenço afirma que, além das questões de segurança, a redução da inclinação da pista deve melhorar a circulação de caminhões. Hoje, essa inclinação é de 6%. A previsão é de que caia para 4%, o que deve trazer ganho de potência para as carretas na subida e mais controle da frenagem nas descidas da serra.

O trecho de serra não será duplicado imediatamente. A obra prevê uma nova pista entre o km 11 e o km 60. De lá em diante, até o km 80, na chegada à cidade de Caraguatatuba, a duplicação será feita por uma Parceria Público-Privada (PPP) ainda em planejamento.

Obras. A licitação para a contratação da empresa (ou do consórcio) que fará a duplicação do trecho de planalto já está em andamento e teve início antes da divulgação do edital do projeto executivo. O projeto está estimado em R$ 775 milhões.

A licitação atraiu 27 interessados. Para comparar, a duplicação da Marginal do Tietê, por exemplo, atraiu dez. E a ampliação da Avenida Jacu-Pêssego, também feita pela Dersa, 11. A obra, que começa em março, será dividida em dois lotes e o vencedor será quem oferecer o menor preço. Uma mesma empresa poderá vencer os dois lotes e poderá oferecer um preço para cada lote e um preço em conjunto, com desconto. Isso porque, se construir a rodovia toda, a empresa poderá ter os custos reduzidos e repassar a economia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.