Nova perícia é feita em apartamento onde o coronel Ubiratan Guimarães morreu

Uma nova perícia foi feita ontem no prédio onde o ex-coronel da Polícia Militar Ubiratan Guimarães foi assassinado, em setembro de 2006. A análise foi determinada pelo juiz do 1.º Tribunal do Júri, Bruno Ronchetti, a pedido da defesa da ex-namorada do militar, e única acusada do crime, a advogada Carla Cepollina. O apartamento onde aconteceu o crime fica na esquina da Rua José Maria Lisboa com a Avenida 9 de Julho, na zona oeste de São Paulo.

O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2012 | 03h04

Ubiratan - que comandou a invasão ao Carandiru em 1992 - foi morto com um tiro na barriga. De acordo com a polícia, a advogada foi vista entrando no apartamento na data do crime. Cepollina nega e responde ao processo em liberdade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.