Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Nova malha viária pede sinalização e educação de pedestres e ciclistas

Especialistas dizem ser necessário aprimorar o convívio entre as formas diferentes de transporte para evitar conflitos

Bruno Ribeiro e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2015 | 03h00

A morte do zelador aposentado Florisvaldo Carvalho Rocha na segunda-feira passada acendeu o debate em torno da segurança de ciclistas e pedestres em faixas exclusivas para bicicleta e também em ruas e avenidas da cidade. Especialistas apontam que, com o aumento da malha cicloviária na cidade, a sinalização agora deve passar a focar nos usuários dessa estrutura. 

“Há um predomínio na sinalização do trânsito para o automóvel. As placas e a iluminação não são pensadas para o trânsito de pedestres e ciclistas. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) começou uma campanha recente, mas ainda precisa ser reforçada, de que o ciclista não é o elo mais fraco do trânsito”, disse a professora do Centro de Engenharia da Universidade Federal do ABC (UFABC) Silvana Maria Ziani.

O elo mais fraco, para ela, passa a ser o pedestre. E mesmo entre eles, há quem mereça mais cuidado. “Ele (ciclista) tem um artefato que lhe dá mais velocidade. O pedestre é que é o mais vulnerável. Mesmo entre os pedestres, há níveis de mais vulnerabilidade, como crianças, idosos, pessoas com mobilidade reduzida e isso precisa ser reforçado por campanhas”, afirmou Ziani.

A professora acrescentou que cabe ao poder público reforçar a importância desse debate. “O que cabe ao Estado? Implementar e incrementar mecanismos de sinalização adequados e campanhas educativas. Há duas décadas, houve campanhas que promoviam a ideia de direção segura. Agora, é a vez do convívio entre os diferentes modais que precisa ser reforçado. Os ciclistas ainda não estão praticando essas regras.” 

Educação. O coordenador de mobilidade urbana da Rede Nossa São Paulo, Carlos Aranha, vê na educação a solução para o conflito entre carros, bicicletas e pedestres nas vias. “Não há ‘ciclistas irresponsáveis’ ou ‘motoristas imprudentes’. Há pessoas irresponsáveis, pessoas imprudentes. Que, a depender do que estão usando para se movimentar - 1 tonelada de aço (carro), 20kg de alumínio (bicicleta) ou 80kg de carne (o próprio corpo) -, oferecem mais ou menos risco às outras”.


Tudo o que sabemos sobre:
São Paulociclovia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.