Nova Luz: Rua Vitória vai virar ''Rambla''

Projeto da Prefeitura para cracolândia prevê proibição de carros em algumas ruas para deixar mais espaço a pedestres e ciclistas

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2010 | 00h00

A Prefeitura de São Paulo quer diminuir a circulação de carros e levar pedestres e ciclistas às ruas da cracolândia, um dos símbolos da degradação do centro de São Paulo. O projeto preliminar de revitalização da área prevê estreitamento de ruas, criação de parque linear e ciclovias, além de atração de moradores à região. A solução para viciados em drogas e moradores de rua, porém, não faz parte do plano urbanístico apresentado ontem.

Desde 2005, a Prefeitura fala em revitalizar o perímetro formado pelas Avenidas São João, Ipiranga, Duque de Caxias, Cásper Líbero e Rua Mauá e transformá-lo em vitrine fora do País. Mas a região segue cheia de dependentes de crack, moradores de rua e imóveis vazios. Em junho, a Prefeitura contratou um consórcio por R$ 12,4 milhões para criar plano de requalificação da região. Até abril de 2011, a administração prevê que o projeto fique pronto para licitação. O objetivo, segundo a Prefeitura, não é combater os usuários de drogas, mas apresentar "soluções urbanísticas" para a área.

A Rua Vitória será o eixo principal da Nova Luz, espécie de boulevard no qual está previsto calçadão arborizado de 800 metros na faixa central e circulação de veículos em uma ou duas faixas - no projeto, a via é comparada à principal Rambla de Barcelona, rua turística da cidade espanhola. Em toda a área, são 6 quilômetros de vias em que pedestres serão priorizados.

Cruzando com a Rua Vitória, a Avenida Rio Branco será diminuída, com duas faixas a menos para veículos e uma nova ciclovia. No canteiro central, seriam plantadas árvores de médio porte. Prédios ao longo da via deverão ter uso misto: enquanto o térreo pode abrigar restaurante ou café, por exemplo, os andares superiores podem ser ocupados por escritórios ou apartamentos residenciais.

Pelo plano, a Rua Timbiras também será diminuída e transformada em "parque linear", com área de calçadão arborizado com 20 metros de largura. No eixo formado pela Avenida Duque de Caxias e Rua Mauá, o plano é diminuir para três o número de faixas para veículos -hoje são seis - e criar ciclofaixa. "A prioridade vai ser o pedestre", disse o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Miguel Bucalem. "Mas estudos estão sendo feitos para deixar a área o mais compatível possível para todos."

Tecnologia. O projeto também prevê incentivos ao comércio, de acordo com a vocação das ruas. As lojas de produtos eletrônicos da Rua Santa Ifigênia, por exemplo, a credenciaram a ser via principal do chamado "Centro de Tecnologia" da área, com escola técnica e empresas de tecnologia de informação instaladas no local. A Rua General Osório formaria o eixo do chamado "Centro de Mobilidade", com comércio de peças de motos e carros e eventos comerciais automobilísticos.

Além das ramblas de Barcelona, outros projetos internacionais inspiraram a Nova Luz. O setor cultural e de entretenimento da região - no entorno da Estação da Luz, onde estão a Sala São Paulo e a Pinacoteca do Estado e ficará o futuro Teatro da Dança - é inspirado no Campo Santa Margherita, em Veneza, na Itália.

Também há inspiração no Bryant Park, em Nova York, para criação de um parque no quarteirão entre a Rua Conselheiro Nébias e a Alameda Barão de Limeira, e no Parque da Victoria Manalo, em São Francisco (EUA), para criar praça na esquina das Ruas dos Andrades e dos Gusmões. O plano prevê ainda a construção de uma biblioteca e de 3 mil habitações de interesse social.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.