Nova Luz: confusão em outra audiência

Comerciantes da Santa Ifigênia reuniram 1,6 mil manifestantes; houve confronto com a GCM, mas encontro continuou

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2011 | 00h00

Comandados por comerciantes da Santa Ifigênia, no centro, cerca de 1,6 mil manifestantes boicotaram mais uma vez a primeira audiência pública sobre o projeto de concessão urbanística da Nova Luz, que envolve a cracolândia. Houve confronto entre comerciantes e a Guarda Civil Metropolitana. Apesar da confusão e da saída dos manifestantes antes do fim do encontro, o secretário Miguel Bucalem, de Desenvolvimento Urbano, deu a audiência como concluída.

Por volta das 18h, mesmo com barulho de apitos, buzinas e gritos, um funcionário tentou iniciar a apresentação, mas, quando um comerciante quis subir no palanque, a briga começou. Alguns comerciantes foram agredidos com cassetetes e socos. Bucalem e integrantes do consórcio responsável pelo projeto abandonaram a mesa. Uma hora depois, voltaram e resolveram convocar os inscritos para os questionamentos. Depois de pedir o cancelamento do encontro, os manifestantes deixaram o local.

Bucalem finalizou a audiência e afirmou que a oportunidade de debate foi dada. "Tínhamos o interesse só de ouvir. Dar a oportunidade a todos de se manifestarem", disse. Deve haver mais duas audiências. No dia 14, um outro encontro foi cancelado.

O projeto prevê reformar 45 quadras e demolir construções em 28% delas. No perímetro estão ruas da Santa Ifigênia. Em ofício encaminhado a Bucalem, o Ministério Público questiona a realização das audiências, uma vez que a lei que regula as concessões urbanísticas não foi precedida de participação popular. O secretário afirmou que está certo da constitucionalidade da lei.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.