Isaac Fontana/ Framephoto/ Estadão Conteúdo
Isaac Fontana/ Framephoto/ Estadão Conteúdo

Nova Cracolândia: operação espalha usuários de drogas em pequenos grupos no centro de SP

Polícia realiza operação na região desde as primeiras horas da manhã; grupo se dispersou pelas ruas da região após momentos de tensão com agentes. Comerciantes e moradores temem insegurança

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2022 | 12h05
Atualizado 12 de maio de 2022 | 11h39

“Cadê o fluxo agora?”, perguntou um rapaz de blusa branca com listras verdes, bermuda jeans, carregando um saco de lixo com roupas. “Sei não. Tem uma parte ali, mas foi cada um para o lado”, respondeu o interlocutor sem camisa, sentado na calçada da Praça Princesa Isabel, na região central de São Paulo.

Os primeiros desdobramentos da grande operação policial realizada na madrugada desta quarta-feira, 11, contra o tráfico de drogas na região central da capital paulista foram a dispersão e o espalhamento dos usuários e traficantes de drogas. A partir da Praça Princesa Isabel, foco da atuação de policiais civis, militares e da Guarda Civil Metropolitana, o chamado “fluxo” se dividiu em pequenas aglomerações.

A principal delas foi na Avenida Duque de Caxias, na esquina com a Avenida Rio Branco, exatamente em frente à praça. Cerca de cem pessoas ocuparam a calçada na altura do número 750. A movimentação causou momentos de tensão com o policiamento. Em pelo menos duas oportunidades, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Baep) se prepararam para o confronto, que não aconteceu. Também existia, até o fim da manhã, grande concentração de usuários na esquina das ruas Gusmões com a Triunfo, distante três quarteirões dali. 

A dispersão do 'fluxo', que se iniciou ainda na madrugada desta quarta-feira, se intensificou no início da noite. Por volta das 19h, eles dividiam em vários pontos da região central. A maior concentração estava nas proximidades da estação Marechal Deodoro do Metrô. 

Um grupo de cerca de 50 usuários de substâncias químicas está acampado no canteiro central da Avenida Duque de Caxias, com risco de acidentes em função da circulação de veículos. Muitos ocupam o ponto de ônibus na esquina da avenida com a Rio Branco. Outros estão na própria calçada, a menos de 100 metros da Praça Princesa Isabel. Outra parte, mais numerosa, se espalhou pela região da rua Santa Ifigênia e pela rua Eduardo Prado. 

O deslocamento dos grupos traz risco de conflitos. O Estadão flagrou um grupo grande, de mais de 100 pessoas, no cruzamento da Avenida Rio Branco com a alameda Eduardo Prado. Como o grupo impediu o avanço dos carros na abertura do semáforo, houve começo do tumulto. A cena se repetia em todos os grandes cruzamentos. 

A situação mais comum, no entanto, foi a dispersão em que os usuários começaram a vagar pelas ruas próximas sozinhos ou em grupos pequenos. Na esquina das ruas Conselheiro Nébias e Glete, distante dois quarteirões da praça, um grupo de três dependentes instalou seus colchões e sacos pretos com pertences. Um deles foi é José Bernardo da Silva, de 32 anos, viciado em crack há 10 anos. Ele conta que ficou com medo da violência policial e decidiu se instalar lá. Não sabe para onde vai. Na alameda Nothmann, ainda mais distante, dois dependentes estavam sentados na calçada. 

O antigo endereço da Cracolândia, nas imediações da Estação Julio Prestes, foi uma opção vetada aos usuários. Policiais fizeram um bloqueio nas saídas da Avenida Rio Branco para impedir a volta dos usuários à região da estação da Luz. 

O espalhamento trouxe medo e preocupação para vizinhos e comerciantes. Um salão de cabeleireiros na Helvetia decidiu abrir apenas meia porta do estabelecimento. “A gente fica com medo de arrastão, de eles entrarem para roubar tudo”, diz o proprietário.

É a mesma angústia de uma concessionária de veículos, que viu o faturamento cair 80% desde que o fluxo migrou para a região. “A gente trabalha, mas trabalha com medo. Agora, ninguém sabe para onde vão”, diz o vendedor. Nenhum comerciante quer se identificar.

Cerca de 650 policiais civis e militares realizaram nesta quarta-feira, 11, uma nova fase da operação contra o tráfico de drogas na região central da cidade. O foco da ação foi a praça Princesa Isabel, local para onde usuários e traficantes migraram no mês de março.

Por volta das 12h, a situação na praça estava "calma", de acordo com avaliação de agentes da Polícia Civil no local. As equipes de zeladoria da prefeitura realizam grande limpeza na praça, retirando principalmente as barracas que, segundo os policiais, encobriam a venda de drogas.

De acordo com Alexis Vargas, secretário executivo de Projetos Estratégicos da Prefeitura de São Paulo, o objetivo da operação foi cumprir 36 mandados de prisão. Até 11h, já foram detidas 20 pessoas, que foram levados para o 77º DP, na região de Santa Cecília. Também foram apreendidos pacotes de drogas e balanças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.