Nova chefe, Martha Rocha troca cúpula da polícia do Rio

Recém empossada, ela substituiu delegados considerados colaboradores do antigo titular, Allan Turnowski

Felipe Werneck, O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2011 | 00h00

Os principais colaboradores do delegado Allan Turnowski, exonerado anteontem da chefia de Polícia Civil do Rio, foram afastados da cúpula da corporação pela nova titular do cargo, Martha Rocha. No fim da tarde, a delegada anunciou quatro nomes de sua equipe. "Pesaram experiência, competência e seriedade", disse ela.

O afastamento dos delegados Rodrigo Oliveira (subchefe Operacional na gestão Turnowski) e Ronaldo Oliveira (que ocupava o Departamento Geral de Polícia Especializada) foi anunciado ao vivo, em entrevista ao RJTV. "Não manterei nem o Rodrigo Oliveira nem o Ronaldo Oliveira. Não tive ainda oportunidade para falar com os dois. Agradeço o trabalho que fizeram. Fui subordinada aos dois." Martha pretende imprimir uma nova marca à gestão, de caráter menos operacional. Turnowski era conhecido justamente por esse perfil - ele comandou a operação no Complexo do Alemão em 2007, que resultou em 19 mortes e suspeitas de execuções sumárias.

Em conversas na Secretaria de Segurança após a escolha de Martha, chegou-se a cogitar a extinção da Subchefia Operacional. Mas ela recuou e anunciou o nome do delegado Fernando Veloso para o cargo. No entanto, esse não é o perfil dele. Veloso ocupava o cargo de titular da 14.ª Delegacia de Polícia, no Leblon, zona sul, e teve passagens pela Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (DEAT) e pela Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA). Em entrevista no prédio da Chefia de Polícia, Martha disse que pretende "fortalecer as delegacias distritais". "Elas têm de ser o retrato da polícia."

Além de Veloso, foram anunciados o novo subchefe Administrativo, Sérgio Caldas, ex-diretor do Departamento de Polícia da Capital e da Academia de Polícia. Luis Zettermann, que já foi subcorregedor, vai ocupar a chefia de gabinete de Martha. O delegado Gilson Soares foi mantido na Corregedoria Interna da Polícia pela delegada.

Ontem, Allan Turnowski adotou um tom elogioso ao se referir à sucessora. O desafeto dele, o delegado Claudio Ferraz, optou por não comentar a escolha, mas policiais ligados a ele acharam a opção acertada.

Sem jornalistas. Uma tarefa difícil da nova chefe será integrar os diversos grupos da Polícia Civil. "O binômio será eficiência e lisura. Vamos trabalhar com metas, projetos e resultados", disse ela, repetindo frase do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame. "Hoje, rezei para Nossa Senhora da Conceição na Igreja de Santo Antônio dos Pobres. Não tinha nenhum jornalista. Pude conversar com calma com Nossa Senhora."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.