Nova chamada do Mais Médicos preenche apenas 6,6% das vagas

Só 422 brasileiros foram aprovados na terceira fase do programa; meta é ter 13 mil profissionais atuando até março

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

02 de janeiro de 2014 | 02h02

A terceira fase do Mais Médicos teve 422 brasileiros aprovados, o equivalente a apenas 6,69% das vagas ofertadas nessa etapa do programa. Com a baixa adesão, o governo federal vai depender agora do interesse de médicos formados no exterior para cumprir sua meta de ter, até março, 13 mil profissionais atuando pelo programa no País. Na primeira e segunda fases do projeto, 6,6 mil médicos foram selecionados e já estão atuando nos municípios.

A portaria com o nome dos aprovados na terceira fase foi divulgada na segunda-feira. O Ministério da Saúde recebeu 540 inscrições de candidatos formados em universidades brasileiras, mas só 422 foram validadas e homologadas.

Uma nova lista, com o nome dos intercambistas (estrangeiros ou brasileiros formados no exterior) aprovados, deverá sair no dia 16 de janeiro.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, já disse que, caso as duas modalidades não preencham as vagas disponíveis, mais médicos cubanos serão trazidos por meio do convênio do governo brasileiro com o país caribenho. Dos 6,6 mil médicos que já atuam no País por meio do programa, cerca de 5,4 mil são cubanos.

Segundo o cronograma do ministério, os médicos brasileiros aprovados nesta terceira fase começarão a atender a população no início de fevereiro.

Balanço. Na terça-feira, o ministério divulgou dados sobre a distribuição dos médicos que já atuam pelo programa. A Bahia é o Estado que recebeu o maior número de profissionais até agora: 787. Em seguida, aparece São Paulo, com 588. Ceará e Maranhão ocupam a terceira e a quarta posição, com 572 e 445 médicos, respectivamente.

Segundo o ministério, os 6.658 médicos do programa atendem hoje 23 milhões de pessoas. O objetivo é chegar a 45,5 milhões até março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.