Nova audiência tenta conter ameaça de greve de funcionários da CPTM

Funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos pretendem parar por tempo indeterminado a partir desta quinta-feira

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2014 | 22h25

SÃO PAULO - Com a ameaça de greve de funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) por tempo indeterminado a partir da zero hora desta quinta-feira, 15, o governo Alckmin espera resolver o impasse com seus ferroviários em uma nova audiência no Tribunal Regional Eleitoral (TRT) às 14h30 desta quarta.

O secretário estadual dos Transportes Jurandir Fernandes disse nesta terça que está avaliando a proposta feita pela Justiça na primeira reunião entre as partes, na segunda, para ver "onde nós podemos chegar".

"É muito provável que nós vamos encontrar uma saída e esperamos que os sindicatos também vão com boa vontade", declarou o secretário. Ele adiantou que deve reajustar o preço do vale refeição e corrigir o salário acima da inflação acumulada, por meio de um índice de produtividade. "Achamos que vamos encontrar a saída sem greve."

Ao todo, os três sindicatos que representam os trabalhadores da CPTM mais o sindicato dos engenheiros da empresa ameaçam paralisar as atividades. A principal reivindicação é aumento salarial. Segundo Eluiz Alves de Matos, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo, a companhia fez uma proposta de 3,97% - abaixo da inflação. As seis linhas da companhia controlada pelo governo do Estado transportam diariamente 2,8 milhões de usuários, em média.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.