Notas

RIO

, O Estadao de S.Paulo

22 Março 2010 | 00h00

2 PMs da Unidade de Polícia Pacificadora

são presos ao invadir casa na zona oeste

Dois policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do morro Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, zona sul do Rio, foram presos quando tentavam invadir uma casa na zona oeste. Em quatro dias, três PMs lotados na mesma unidade foram presos em flagrante. A UPP é a aposta do governo para renovar a Polícia Militar e conter a violência em favelas.

Os policiais e mais dois homens armados foram flagrados na manhã de sábado quando pulavam o muro da casa de um ex-policial para cobrar dívida de R$ 27 mil pela venda de um carro. Os comparsas dos PMs conseguiram escapar.

Levados ao Batalhão Especial Prisional, os policiais foram acusados de invasão de domicílio, porte de arma e formação de quadrilha. Na quarta-feira, o soldado Leonardo da Cruz Cortez, de 27 anos, também lotado na UPP, foi preso quando tentava roubar uma agência bancária com outros três homens.

OBRAS

Empresa começa a retirar grua no Itaim

A construtora Brooksfield começou ontem, às 9h, a pedido do Ministério Público, a retirada de uma das duas gruas que se movimentavam sobre a calçada e a Avenida Faria Lima, no Itaim, zona sul. A obra foi embargada pela Subprefeitura de Pinheiros, por ser considerada perigosa a pedestres e motoristas.

PATRIMÔNIO

Outra igreja é alvo de ladrões em Itaparica

Os prejuízos provocados por ladrões que têm invadido igrejas em Itaparica (Bahia) são maiores do que supunham religiosos e fiéis. No sábado, foi descoberto que a Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento também foi invadida, a exemplo do que ocorrera na Igreja de São Loureço, na quinta-feira. A Matriz estava fechada, em razão do seu mau estado de conservação. Foram furtados cálices, crucifixos, ostensórios e um terço de ouro. A polícia investiga se os dois casos estão relacionados.

CASO GLAUCO

Amigo de Nunes pode ter facilitado invasão

O estudante Felipe de Oliveira Iasi pulou o muro da chácara de Glauco Vilas Boas para facilitar a entrada do amigo Carlos Sundfeld Nunes, que matou a tiros o cartunista e seu filho Raoni, no dia 12. A afirmação foi feita pela enteada de Glauco, Juliana Veniss, ao delegado Archimedes Cassão Veras Júnior. O policial deve ouvir Iasi hoje, pela segunda vez. Ele é suspeito de ter dado fuga ao assassino, mas diz que foi forçado pelo amigo a ir ao local do crime e deixou a chácara antes dos assassinatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.