Nos passeios de barco, descubra o que o mar esconde

Seis roteiros para passear por praias e ilhas do litoral - e pelas histórias e segredos que esses lugares guardam

Guia de Verão, O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2010 | 18h31

 Selo-Verao

SÃO PAULO - Na superfície, o que se vê são belas praias, ilhas acolhedoras e longos trechos de areia. Por baixo, porém, há mais: em terra ou no fundo do mar, o litoral paulista esconde histórias - ou resquícios de histórias, ao menos. Algumas delas estão incrustadas na pedra, como é o caso do Monte de Trigo da Barra do Sahy, que foi moldado pela ação de vulcões. Outras são menos palpáveis, como a lenda do casal que, depois de morrer, virou um par de abricós entrelaçados, em São Sebastião. E há aquelas que você só vai descobrir embaixo da água: a que testemunha a relação do francês Jacques Cousteau com a Ilha Anchieta, por exemplo.

 

Separamos seis passeios que se relacionam, de alguma maneira, com histórias do litoral. Fica a seu critério passear pela superfície dos roteiros de barco ou mergulhar nas tradições caiçaras, que evocam histórias de amor, pescadores, naufrágios e rebeliões. Em alguns casos, não existe uma única versão para o que se conta. Prepare a máquina fotográfica (e a sua intuição) e vá descobrir a verdade.

 

NINGUÉM SABE

No início do século 19, navios negreiros atracavam na Praia da Fome, em Ilhabela, para engordar os escravos antes de vendê-los. No local, há até uma casa preservada daquela época. Mas a história é controversa: alguns historiadores alegam que a área nunca foi um grande polo de tráfico de escravos.

 

Águas claras

Para conhecer o cenário da história (e ainda nadar nas águas mais cristalinas da região), basta pegar uma das escunas que saem do pier do Perequê (R$ 50, por pessoa). O trajeto passa pelo norte da ilha.

 

Ilha Adventure

Av. Princesa Isabel, 605, Perequê, Ilhabela

(12) 3896-5399. 8h/21h.

Maremar

Av. Princesa Isabel, 90, Perequê, Ilhabela

(12) 3896-1418. 8h/19h.

 

 

ENTRE FANTASMAS

Conhecido como "Titanic brasileiro", o Príncipe das Astúrias afundou próximo à Ponta Pirabura, em Ilhabela, em 1916. A tragédia teria batizado a Praia da Caveira, para onde boiaram muitos corpos. Um mapa de 1912 que já traz o sinistro nome contradiz esta história, mas, ainda assim, os caiçaras preferem não arriscar. Eles evitam o local, que até hoje permanece desabitado.

 

Sabor da folha

Se você tiver coragem, o passeio à Praia de Castelhanos (R$ 1.800, até 6 pessoas) passa pela Praia da Caveira. Bem mais convidativo é o Saco do Eustáquio, onde o veleiro ancora, na volta, para o pernoite. Lá, prove a caipirinha de folha de mexerica do restaurante Mirante do Eustáquio (R$ 14).

 

Vini Vela

R. da Padroeira, 12, Centro, Ilhabela, (12) 3896-3607. 10h/18h. Cartões de crédito.: Mastercard e Visa.

 

PONTO DE FUGA

A Ilha Anchieta, em Ubatuba, preserva as ruínas de um antigo presídio, desativado em 1955. Três anos antes, 300 prisioneiros escaparam dali em uma rebelião - e só 139 foram recapturados. Muitos fugiram em canoas, outros tentaram escapar a nado. Diz-se que os presos que morreram afogados no trajeto assombram o lugar. Se o clima mórbido não lhe agrada, faça um mergulho pela ilha: a nove metros de profundidade, você verá uma estátua do navegador francês Jacques Cousteau, que era apaixonado pelo lugar.

 

Treine antes

A escuna sai do Saco da Ribeira, também em Ubatuba. Depois de parar na Ilha Anchieta (para a visita às ruínas do presídio), o passeio segue para a Praia do Sul e termina no fim da tarde. Para mergulhar, é preciso fazer um treinamento de duas horas em uma piscina.

 

Kaua’i (passeio de escuna)

Rod. Caraguá-Ubatuba, Km 62

(12) 3842-3670. 8h/17h. R$ 45 (por pessoa).

Omnimare (mergulho)

R. Guaicurus, 30, Itaguá, Ubatuba,

(12) 3832-2005. 8h/18h. R$ 238/R$ 268 (por pessoa). Cc.: M e V.

 

CAMINHOS DO AMOR

A história do casal separado pelo mar é popular em São Sebastião. Diz a lenda que um rapaz da Praia do Sino, em Ilhabela, se apaixonou por uma moça de Pontal da Cruz. Todas as tardes ele cruzava o canal. Ao descobrir que havia outro homem interessado por ela, jogou sua canoa contra as pedras. Quando soube da morte do amado, ela adoeceu e morreu. Nas pedras onde se apaixonaram, há uma cruz - e, entre elas, misteriosamente nasceram dois pés de abricó entrelaçados.

 

Pelo canal

O passeio percorre o mesmo caminho do rapaz da lenda. Sai do pier da Praia da Figueira, em São Sebastião, e segue pelo canal, entre o continente e a ilha. No trajeto, para nas principais praias da região - como a do Jabaquara, que tem cerca de 500 m de extensão e é cortada por dois riachos, um em cada ponta.

 

Ecos Cultural

Alameda Santana, 190, Pontal da Cruz, São Sebastião.

(12) 3862-2757/(11) 7755-5317. 9h/18h. R$ 50 (por pessoa).  

 

SEU TECO VIU

Ezequiel Rosa Costa, o Seu Teco, é um pescador de Guaraú, em Peruíbe, cheio de histórias dignas da sua profissão. Diz ele que nasceu em uma canoa e que é tataraneto de um guarda-costas de Dom Pedro II. Certo dia, depois do trabalho, ouviu uma voz lhe chamando. Ao olhar para trás, se deparou com João Leite, pescador que viveu em Peruíbe há cerca de 150 anos e que, desde então, tem assombrado os moradores da região.

 

Sem sal no corpo

Os circuitos pela região do Guaraú podem ser feitos de barco ou de canoa. Os pontos turísticos não se limitam às praias, como as de Guarauzinho e do Arpoador: incluem rios, cachoeiras e trilhas pela reserva da Jureia. Você pode até pernoitar à beira do rio. Para ouvir as histórias de Seu Teco, procure pelo barco que ele pilota.

 

EcoAdventure

R. Gaivota, 1202, Guaraú, Peruíbe

(13) 3457-9170 / (13) 9772-1334. R$ 55 (por pessoa).

Toshio Yamauti

R. Nites Terezinha, 210, Guaraú, Peruíbe

(13) 3457-9560 / (13) 9771-4859. R$ 20 (por pessoa).

 

BATISMO DE FOGO

O nome da Ilha do Monte de Trigo, a 14 km de São Sebastião, sugere tranquilidade. Sua origem, porém, é bem turbulenta: seu pico de 276 m de altura é resultado de violentas atividades vulcânicas ocorridas há muitos séculos. O início de sua ocupação não tem data certa - a lenda mais popular afirma que os atuais moradores seriam descendentes dos sobreviventes de um naufrágio ocorrido ali perto, nos idos do século 18.

 

Tesouros submersos

Existem várias opções de passeio para o "Montão de Trigo", com saídas em Juquehy, na Barra do Sahy e na Barra do Una. Mas, em respeito à comunidade local, a maioria das agências não permite desembarcar nem pescar na costa da ilha. Em compensação, os mergulhos estão liberados - e valem a pena. Há inúmeras grutas e tocas submarinas na área. Se puder, estique a visita até a Ilha das Couves.

 

Greenway Brasil

Av. Mãe Bernardo, 3.221, Juquehy

(12) 3891-100. 9h/18h. R$ 150 (por pessoa).

Mais conteúdo sobre:
Verão 2010 litoral São Paulo mar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.