Nos locais de convênio com PM, criminalidade caiu 70 %

Nas 13 regiões em que foi primeiro implantada, a Operação Delegada colaborou para reduzir em até 70% a criminalidade, segundo dados da Secretaria Estadual da Segurança. A presença de policiais militares em centros de comércio reduziu, segundo a corporação, 60% dos delitos.

, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2010 | 00h00

A Operação Delegada é um convênio entre a Prefeitura de São Paulo e o Estado, com duração prevista de três anos. Existe desde agosto de 2009, mas, na prática, começou a valer em dezembro. O acordo permite que o PM trabalhe até nove horas diárias no "bico oficial".

A carga horária não pode ultrapassar 92 horas por mês. Em geral, os policiais trabalham oito horas por dia, 12 vezes por mês. No início, o valor da hora trabalhada era de R$ 12,33 para praças (de soldado a subtenente) e R$ 16,15 para oficiais (de tenente a coronel).

Vantagens. A parceria entre a Polícia Militar e a Prefeitura, no caso do combate aos camelôs, começou na Rua 25 de Março, região central, e foi estendida para 21 endereços.

A PM viu na operação a chance de evitar que seus policiais aceitassem fazer bicos para complementar a renda em serviços cujo risco é maior - como segurança, por exemplo.

A Prefeitura, por sua vez, ganhou reforço no combate aos camelôs em situação irregular - tarefa anteriormente desempenhada por guardas-civis metropolitanos.

No primeiro dia, o efetivo era formado por 150 policiais. Atualmente, mais de 4 mil homens participam do programa. Durante o "bico oficial", os PMs usam fardas e armas da corporação.

A Operação Delegada vai ser adotada por 15 municípios do interior do Estado. Na capital paulista, o convênio já foi introduzido em 20 bairros e centros comerciais para afugentar vendedores ambulantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.