Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Nos Jardins, o 24º arrastão do ano

Ladrões usaram carro semelhante ao de morador para enganar porteiro e entrar na garagem de condomínio de luxo na Alameda Jaú

Camilla Haddad e Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2010 | 00h00

Um condomínio de luxo nos Jardins, zona sul de São Paulo, foi o alvo do 24.º arrastão registrado neste ano em São Paulo. O crime ocorreu às 19 horas de anteontem. Pelo menos dois imóveis foram invadidos, um deles de uma família que estava viajando. Em média, houve um assalto desse tipo na capital a cada 15 dias neste ano. Em 2009, foram 21 casos.

No caso de anteontem, três homens armados chegaram ao condomínio Qualité, na Alameda Jaú, por volta das 19 horas. Eles estavam em um Prisma semelhante ao de um morador. O porteiro achou que se tratava do condômino e abriu o portão. Após entrar no prédio, o trio rendeu o funcionário e a filha do dono da cobertura, que fica no 13.º andar, e invadiu o imóvel. O Qualité tem um apartamento por andar, cada um com três suítes. Depois, os bandidos entraram ainda no apartamento do 11.º andar, cujos moradores estavam viajando.

Usando estiletes, os ladrões cortaram os fios do sistema de alarme, do portão de entrada e do interfone. A central do sistema fica no guarita, em um ponto "vulnerável", segundo um técnico que na manhã de ontem efetuou reparos nos equipamentos.

Segundo informações da polícia, os ladrões permaneceram cerca de duas horas nos imóveis e fugiram levando, além de pertences das vítimas, o carro de um morador e a CPU com as imagens das 16 câmeras do edifício. Até ontem à noite, ninguém havia sido preso.

Férias. Segundo o vice-presidente de administração imobiliária e condomínios do Secovi São Paulo, Hubert Gebara, no período de férias de verão - dezembro, janeiro e fevereiro - a média mensal de assaltos aumenta aproximadamente 30%. Mas ele ressalta que os casos vêm caindo a cada ano. "O número (deste ano) é bem menor do que o de 2004, quando foram registrados aproximadamente 60 assaltos."

Para Angélica Arbex, da Lello Condomínios, um erro muito comum nos dias de hoje acontece no controle de acesso para a garagem. "O profissional de portaria não deve identificar o veículo, mas quem está dentro do veículo. E, na dúvida, não deve abrir o portão", afirma.

Segundo Angélica, outro erro que deve ser evitado ao máximo é o dos porteiros deixarem seu posto, ainda que por poucos minutos, sem nenhuma cobertura. "A presença de equipamentos como rádio e TV nas portarias também é incorreta, pois pode tirar a atenção do profissional. Só o monitor com imagens do circuito de câmeras deve ser mantido."

Outro caso. O ataque anterior ao Qualité foi registrado na Saúde, zona sul, no dia 4. A família de um despachante se preparava para jantar quando oito assaltantes invadiram a casa, às 22 horas. A quadrilha invadiu o imóvel para usá-lo como via de acesso ao vizinho Residencial New Castle. Na madrugada, os criminosos entraram no condomínio e fizeram um arrastão em seus dez apartamentos. A família do despachante também foi levada ao prédio. A ação durou até o dia seguinte. / COLABOROU ANA BIZZOTTO

PRESTE ATENÇÃO...

1

A grande maioria dos assaltos ocorre pela guarita ou garagem, que devem ser bem protegidas. O porteiro deve ver quem está no carro e pedir nome e RG de acompanhantes do morador.

2

Antes de viajar, tranque portas e janelas, feche registros de água e gás e desligue a campainha e o quadro de luz. Se estiver sempre acesa, a luz chama atenção e facilita a ação do criminoso.

3

Se tiver sistema de segurança, teste antes de viajar. O sistema do prédio deve ser testado pelo zelador.

4

Não mude a rotina. Evite deixar jornais, revistas e correspondência acumulados - suspenda a entrega ou peça a alguém de confiança para recolher. Se tiver cachorro, não o deixe em local diferente.

5

Nunca deixe chave na portaria. Prefira alguém de confiança. Mas deixe seu contato com síndico ou vizinho caso precise ser chamado.

6

O sistema de segurança integrada, no qual um prédio fiscaliza outro, é uma boa forma de se precaver.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.