JB Neto/AE
JB Neto/AE

Nos Jardins, é só chover para a região ficar às escuras

Padaria chega a gastar de R$ 3 mil a R$ 5 mil por mês apenas com a manutenção de um gerador a óleo diesel

Márcio Pinho e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2011 | 00h00

A região dos Jardins, na zona sul de São Paulo, fica com ruas às escuras sempre que chove um pouco mais forte. Moradores e comerciantes perderam as contas de quantas vezes neste ano já tiveram de recorrer a geradores ou mesmo a velas.

 

Veja também:

linkReclamações por falta de luz crescem 43% no 1º tri

linkMetade das falhas é provocada por queda de árvores

 

As queixas são constantes no Jardim América, uma das partes mais nobres da região, onde as casas térreas predominam. Embora, segundo a Eletropaulo, a frequência de queda de energia fique abaixo do teto estipulado pela Aneel.

A padaria Galeria dos Pães, na Rua Estados Unidos, por exemplo, gasta de R$ 3 mil a R$ 5 mil mensalmente com a manutenção de um gerador a óleo diesel. Foi a forma que o sócio Milton Guedes de Oliveira encontrou para manter a loja em funcionamento ininterrupto. "Preciso ter uma tranquilidade. Não posso arriscar de ficar sem energia, porque fica um breu."

A loja recebe cerca de 5.500 clientes de segunda a sexta-feira, e mais de 6 mil nos fins de semana. Em dias de apagão à noite no bairro, acaba concentrando os pedestres que não querem arriscar-se no escuro.

Quem não tem gerador sofre mais ainda. Vendedora da loja de artigos de iluminação Zull, na esquina da Rua João Moura com a Alameda Gabriel Monteiro da Silva, Mariana Martins diz que já houve pelo menos três miniapagões no bairro desde o início do ano. "Para a gente é muito ruim, porque a peça (abajur) fica desvalorizada quando não tem luz." Mariana diz que já chegou a fechar as portas em dias de apagão.

Na região também há clínicas de estética que desmarcam seus clientes em dias de apagão e lojas de showroom de automóveis que fazem contratos à mão. Moradores que dependem de aparelhos médicos sofrem com o problema, segundo a ONG Ame Jardins, que cobra providências da AES Eletropaulo.

Já Célia Marcondes, da Samorcc, associação de moradores de Cerqueira César, que engloba parte dos Jardins, afirma que as ruas mais próximas da Paulista também sofrem com os apagões. "Vejo lojas fechando as portas e moradores tendo de subir mais de 20 andares a pé."

AES. Segundo a Eletropaulo, ponderando as metas trimestrais para os conjuntos considerados para a região do Jardim América, a frequência de eventos de falta de luz permitido pela Aneel é de 2,44 vezes - e o bairro ficou abaixo, com 1,06. Entre 55 grandes concessionárias do País, atualmente a Eletropaulo é a terceira no ranking das empresas com menores frequência de quedas de energia.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.