Norma prevê prisão para quem usar o escudo municipal

Ainda hoje existem leis curiosas na cidade que jamais tiveram revogação expressa. Entre elas está a que atribui ao prefeito a tarefa de dar permissão para vendedores ambulantes de tripas e miúdos (de 1926) e a que prevê pena de prisão por oito dias para quem usar o escudo com as armas da cidade (de 1919). Outras já revogadas proibiam o uso de dinamite para a pesca no Rio Tietê, o trânsito de gado pela Avenida Paulista e o funcionamento de cafés servidos por mulheres após as 22 horas. / E.V. e R.B.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.