Nomes dos dois presos mortos em rebelião no interior de SP são divulgados

A Secretaria da Administração Penitenciária não confirmou, no entanto, o total de detentos transferidos após a rebelião, nem informou para onde eles foram levados

Ricardo Brandt,

15 de julho de 2013 | 18h38

CAMPINAS - A Secretaria da Administração Penitenciária divulgou os nomes dos dois presos mortos na rebelião de quase 22 horas na Penitenciária 1, de Itirapina, que terminou na manhã desta segunda-feira, 15. Flávio Roberto da Silva, de 32 anos, que cumpria pena de 16 anos por furto, e Antonio Washington de Souza, de 39 anos, com pena de 20 anos por roubo, foram mortos durante a rebelião pelos demais detentos da unidade.

Suas cabeças foram decepadas e os corações arrancados e jogados no pátio da penitenciária. Ao todo, 68 familiares ficaram dentro da penitenciária durante a rebelião, que terminou sem a necessidade de intervenção da Tropa de Choque da PM.

A SAP não confirmou o total de detentos transferidos após a rebelião, nem informou para onde eles foram levados. Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado foram 75. Os presos da unidades só podem ser transferidos para unidades que não são comandadas por facções criminosas.

O motim. A rebelião começou às 11 horas de domingo, 14, depois que uma mulher, que visitaria o marido, foi barrada na portaria. O marido dela protestou e a confusão começou. Os presos impediram a saída dos visitantes no período da manhã. Por meio de uma mulher, liberada pelos detentos com a condição de avisar a imprensa sobre o motim, os presidiários apresentaram suas reivindicações, como a ampliação do horário de visitas. A Tropa de Choque só entrou no presídio após o fim da rebelião.

Mais conteúdo sobre:
presídiorebeliãoItirapina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.