Noite violenta tem 10 baleados. Seis morreram

Ontem foi mais uma noite violenta na Grande São Paulo: após o assassinato do PM Gilmar dos Santos, de 42 anos, às 21h, em um bar de Sapopemba, na zona leste da capital, pelo menos outras 9 pessoas foram baleadas na Grande São Paulo - 5 morreram. "Os bandidos estão caçando os policiais, que não têm como reagir, que estão de mãos atadas", afirmou o funcionário público José Gabriel dos Santos, de 53 anos, irmão do PM. "Eles estão matando policiais na covardia. E todas as características apontam para essa facção criminosa (PCC), que o governo insiste em dizer que não existe."

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2012 | 03h07

Meia hora depois do ataque ao soldado, três pessoas foram baleadas na porta de um bar no Parque Santo Antônio. Edvandro Cristiano Ribeiro de Araújo, de 24 anos, morreu. Para a mãe, a diarista Giovana, de 43 anos, não há dúvida de que quem matou seu filho foram PMs. "Em menos de um minuto, duas viaturas chegaram para pegar os corpos."

Três horas depois, um homem ainda não identificado, de cerca de 35 anos, foi morto no Parque Santo Antônio. No mesmo horário, um homem foi baleado e morto na rua em Pirituba (zona norte). Já na Cidade Líder, três jovens foram alvejados enquanto conversavam na rua - um deles morreu. Pouco depois, em Itaquaquecetuba (Grande São Paulo), um PM reagiu a um assalto e matou o ladrão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.