Noite tem três mortos e sete feridos na Grande São Paulo

Tentativa de chacina na zona norte da capital acabou com dois mortos e três feridos; PM escapou de ataque em Santo André

Ricardo Valota, O Estado de S. Paulo

23 Novembro 2012 | 07h57

SÃO PAULO - Três pessoas morreram e sete ficaram feridas entre a noite de quinta-feira, 22, e a madrugada desta sexta-feira, 23, na Região Metropolitana de São Paulo. Os crimes ocorreram em um intervalo de sete horas, entre as 19h15 e 2h15. No caso mais grave, cinco homens foram atacados a tiros por ocupantes de um veículo na zona norte de São Paulo, sendo que duas morreram. Em Santo André, um policial militar escapou de uma suposta tentativa de execução e, no Campo Belo, zona sul da capital, criminosos tentaram incendiar um ônibus.

O saldo da violência nas últimas oito noites é de 57 mortos e 45 feridos na capital e Grande São Paulo, segundo levantamento do estadão.com.br. Na noite anterior, foram 11 assassinatos e oito tentativas de homicídio. 

Tentativa de Chacina. Cinco homens foram baleados por volta das 2h15 desta madrugada em frente ao conjunto habitacional Cingapura Chácara Bela Vista, localizado na Rua Giuseppe Marino, no Parque Novo Mundo, na zona norte da capital paulista. Segundo a polícia, as vítimas, todas do sexo masculino, estavam reunidas e conversavam quando foram atacadas por ocupantes de um Honda Civic prata. 

A Polícia Militar foi acionada, porém foram testemunhas que levaram os feridos para o pronto-socorro da Vila Maria. Diego da Silva Rocha, de 21 anos, e um segundo jovem, identificado apenas como Carlos, de 24, morreram. Os demais feridos, segundo a polícia, não correm risco de vida. Os dados da tentativa de chacina foram encaminhados para o 73º Distrito Policial, do Jaçanã.

PM atacado. Duas pessoas foram baleadas em dois ataques ocorridos na sequência, em Santo André, no ABC Paulista, na noite de quinta-feira, 22. Por volta das 19h15, um policial militar à paisana, dentro de um bar na Rua Ciprestes, no Jardim Irene, reagiu ao perceber que seria atacado. 

Segundo a polícia, um Fox vermelho, ocupado por pelo menos três homens, parou em frente ao estabelecimento. Um dos suspeitos desceu e sacou a arma. O policial fez o mesmo e atirou contra o criminoso, que foi baleado e encaminhado para o pronto-socorro da Vila Luzita. 

Segundo o que foi informado à Polícia Civil, o criminoso sobreviveu, mas ficou tetraplégico. Já os outros dois bandidos fugiram. Minutos depois, na Rua Virgílio, na Vila Humaitá, distante cerca de 3,5 quilômetros da primeira ação, ocupantes de um Fox vermelho atiraram contra um pedestre, que foi ferido em uma das pernas. 

Acredita-se que as duas ações foram praticadas pelos mesmos criminosos e que a segunda tinha como objetivo desviar a atenção de PMs acionados pelo colega que reagiu no interior do bar. Ambos os casos foram registrados no 1º Distrito Policial da cidade.

Vigilante. O vigilante Marcelo Valdir da Silva, de 45 anos, foi baleado no início da madrugada desta sexta-feira, 23, em frente um bar, na altura do número 346 da Rua Luiz de Oliveira, no Capão Redondo, zona sul da cidade. Segundo testemunhas, uma moto com dois ocupantes parou em frente ao estabelecimento e o garupa, sem dizer nada, desceu, sacou uma arma e atirou contra a vítima. 

De acordo com a polícia, o vigilante, que não tem passagem, pode ter sido confundido com algum policial militar. Encaminhada para o pronto-socorro M' Boi Mirim, a vítima, baleada na nuca e com a bala alojada no maxilar, permanecia internada e consciente. Os bandidos continuam foragidos. O caso foi registrado no 47º Distrito Policial, do Capão Redondo. 

Osasco. Um homem foi baleado por ocupantes de uma moto por volta das 21h de quinta-feira, 22, na altura do número 50 da Rua Joaquim Fraga, em frente à Escola Municipal de Ensino Fundamental José Martiniano de Alencar, no Jardim Ipê, região centro-sul de Osasco, na Grande São Paulo. 

Policiais militares da 2ª Companhia do 14º Batalhão, em patrulhamento, ouviram os disparos e, ao entrarem na rua, viram um homem caído e uma moto, com apenas uma pessoa, deixando o local. O suposto atirador conseguiu fugir e continua foragido. A vítima, ainda não identificada, segundo a PM, foi encaminhada para o pronto-socorro Santo Antonio, onde permanecia internada. O caso foi registrado no 1º Distrito Policial da cidade.

Zona Leste. O servente de pedreiro Antonio Roberto de Oliveira Filho, de 37 anos, foi morto com sete tiros, por volta das 20h30 de quinta-feira, 22, quando saía de casa, na altura do número 140 da Rua Catamarca, na Ponte Rasa, zona leste de São Paulo. A vítima foi surpreendida por atiradores no momento em que abria o portão e morreu quando era atendido no pronto-socorro de Ermelino Matarazzo. 

Segundo a polícia, Antonio Roberto já tinha passagem por porte de entorpecente. Não se sabe ainda quantos eram os atiradores nem se chegaram a pé ou em algum veículo. O caso foi registrado no 24º Distrito Policial, da Ponte Rasa.

Ataque a ônibus. Criminosos tentaram incendiar um ônibus da Viação Campo Belo, por volta da 1h desta madrugada de sexta-feira, 23, na Rua Otusco, próximo à estação Capão Redondo, do Metrô, na zona sul de São Paulo. Armados, os bandidos, todos de rosto à mostra, esperaram o veículo parar no ponto final para agirem. Após o último passageiro descer, o grupo invadiu o coletivo, de linha 6818/10 (Jardim Vale das Vertentes - Terminal Capelinha), espalhou combustível e ateou fogo. 

As chamas foram apagadas rapidamente por testemunhas, várias delas moradores da região, que usaram água. Segundo funcionários da viação, praticamente nada do ônibus foi danificado pelo ataque. A intenção da empresa, segundo a PM, era não registrar boletim de ocorrência.

MAPA DA VIOLÊNCIA

Homicídios desde 24 de outubro na Grande São Paulo.

Visualizar Onda de violência em um mapa maior

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.