Noite de violência com três latrocínios na capital paulista

Em dois casos, vítimas foram abordadas na porta da residência

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

27 Maio 2011 | 06h33

SÃO PAULO - A capital paulista teve mais uma noite de violência. Desta vez foram pelo menos três latrocínios - roubo ou tentativa, seguido de morte - nas zonas leste, oeste e sul da cidade. Em dois dos casos, as vítimas chagavam em casa quando foram abordadas pelos criminosos.

 

Mooca - O proprietário de uma casa e um amigo dele foram mortos a tiros, por volta das 21 horas de quinta-feira, 26, após serem dominados por dois bandidos em frente ao imóvel, localizado na rua Oscar Horta, região da Mooca, zona leste de São Paulo. Armados de pistola, os bandidos, aproveitando a abertura do portão automático da garagem, renderam Danilo Alencar Rolim, de 64 anos, que chegava em casa em um Gol preto, e Antonio Fernando Rossin, de 59 anos, que estava ao lado dele. Não se sabe ainda se as vítimas discutiram com os bandidos ou esboçaram alguma reação. Baleados, Danilo e Antonio morreram mesmo sendo encaminhados por policiais militares para o pronto-socorro João XXIII. Um dos bandidos fugiu no Gol da vítima, mas bateu o carro contra um muro, abandonando o veículo. Segundo familiares de Danilo, a casa foi assaltada há pouco tempo, mas não se sabe ainda se são os mesmos bandidos. Até as 3 horas desta madrugada desta sexta-feira, 27, parentes ainda não sabiam informar se algo foi levado das vítimas. O caso foi registrado no 8º Distrito Policial (Brás/Belém).

 

Rio Pequeno - Praticamente no mesmo horário, Osmar José Pereira, de 58 anos, segundo testemunhas, estacionava seu veículo na garagem de casa, na rua Lucília Perez, na Vila Iolanda, região do Rio Pequeno, na zona oeste, quando foi abordado por dois homens. Não se sabe por que, mas a dupla, que teria anunciado o assalto, atirou e fugiu sem levar nada. Osmar morreu quando era atendido no pronto-socorro Sara Sarah Kubitschek. O caso foi registrado no 51º Distrito Policial, do Butantã, pela delegada Fernanda Maciel.

 

Cidade Ademar - Era quase meia-noite quando o mecânico Alberto Magno Andrade, de 37 anos, foi morto a tiros por dois homens que o abordaram num semáforo próximo ao número 4 mil da avenida Cupecê, região de Cidade Ademar, na zona sul de São Paulo. Ao volante de um Fiat Pálio cinza, a vítima teria se negado a entregar o carro ou algum pertence e teve a porta aberta pelos criminosos, que dispararam e fugiram. Mesmo encaminhado ao pronto-socorro central de Diadema, o mecânico não resistiu aos ferimentos e morreu. O caso foi registrado no 43º Distrito Policial pelo delegado Hélio Queiroz.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.