Noite da Grande SP tem mais 3 mortos e ônibus queimados

Homens encapuzados dispararam contra bar em Osasco. Na capital, dois coletivos foram incendiados por vândalos

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2012 | 03h09

Em mais uma madrugada violenta na Grande São Paulo, três pessoas foram mortas e outras cinco ficaram feridas ontem em um bar em Osasco. Três ônibus também foram atacados na zona norte da capital. A polícia ainda não tem pistas de qual seria o motivo da chacina e investiga as causas dos ataques aos coletivos.

Segundo testemunhas, dois homens encapuzados chegaram em uma moto ao bar na Vila Pestana, em Osasco, por volta da 1 hora, e dispararam contra os clientes. Foram 30 tiros com uma metralhadora calibre 9 mm e 11 com uma pistola .45. Eles descarregaram as duas armas.

O alvo principal era uma mesa onde estavam José Roberto de Carvalho, de 51 anos, Eduardo Fernandes Rondon, de 43, e Luciana Oliveira Cerqueira, de 37. Carvalho e Rondon morreram na hora. Luciana foi socorrida e levada para o Pronto-Socorro da Vila Pestana, onde morreu.

Outras cinco pessoas foram baleadas, socorridas e não correm risco de morte. Segundo uma aposentada de 77 anos, vizinha do bar, o barulho foi intenso. "Foi horrível, um tiro atrás do outro. Tinha até criança no bar", contou.

A hipótese mais forte até o momento é a de que os atiradores estavam atrás de Carvalho, conhecido como Guru. Ele estava em liberdade desde 2006, após ter passado dez anos preso, condenado por crimes como homicídio, tráfico, roubo e formação de quadrilha.

O delegado seccional de Osasco, Mauro Guimarães Soares, afirmou que Carvalho não morava na cidade atualmente, embora já tenha vivido na localidade.

No bar, a PM encontrou três máquinas de caça-níqueis e material de jogo do bicho. O responsável pelo estabelecimento, um comerciante de 54 anos, afirmou à polícia que recebia 30% do valor arrecado com os caça-níqueis e R$ 200 mensais com o jogo do bicho.

Fogo. Dois ônibus foram incendiados anteontem à noite no Jaçanã, zona norte da capital. O primeiro ataque foi registrado na Rua Abílio Pedro Ramos contra um coletivo da Linha 0163 (Terminal Tucuruvi/Jardim Palmira), da Viação Vila Nova Galvão.

Um ônibus da Linha 1782 (Vila Nova Galvão/Metrô Santana), da Viação Sambaíba, também foi queimado. Vândalos atacaram ainda outro ônibus da mesma linha com pedras. As ações seriam um protesto contra a morte de um rapaz na noite de sexta-feira passada na Vila Nova Galvão, na zona norte da capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.