No RS, bebê morre após ser esquecida no carro pelo pai

Uma bebê de sete meses morreu dentro de um carro estacionado na tarde de quinta-feira em Novo Hamburgo, na região metropolitana de Porto Alegre. Segundo as primeiras informações recolhidas pela polícia, Julio Cesar Flesch, de 47 anos, levou a filha Júlia Sofia a uma consulta médica e, como estava atrasado, optou por passar em seu trabalho, antes de seguir com a criança até a creche onde ela ficaria durante a tarde. A criança acabou esquecida no automóvel, deixado no pátio durante cinco horas. Terminado o expediente, por volta das 18 horas, o pai encontrou a menina desacordada e a levou a um hospital, onde os médicos constataram que ela já estava morta.

Elder Ogliari, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2011 | 00h00

A delegacia de polícia ainda aguarda laudo médico para saber as causas da morte e, a partir de segunda-feira, vai tomar depoimentos dos familiares para apurar as circunstâncias da tragédia. O corpo da bebê foi enterrado ontem.

Embora a perícia ainda não tenha concluído seu trabalho, a polícia considera provável que a criança tenha morrido por falta de ar e desidratação, decorrentes da exposição à alta temperatura do ambiente interno do veículo fechado. Casos semelhantes, também com desfecho trágico, ocorreram em Porto Alegre, em janeiro de 2008, e São Paulo, em novembro de 2009.

Uruguaiana. Em Uruguaiana, no oeste do Rio Grande do Sul, uma família esqueceu um menino de 3 anos dentro de um carro na manhã de ontem. A criança acabou retirada do automóvel por pessoas que perceberam que ela estava sozinha.

O avô disse à polícia que pensava que o garoto havia saído com a avó e a mãe, que foram a uma agência do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), enquanto ele procurava lugar para estacionar.

PARA LEMBRAR

Em 2007, em Guarulhos, o pai de um garoto de 1 ano e 4 meses se sentiu mal enquanto levava a criança para a casa de parentes e resolveu ir para casa dormir. O filho ficou no carro por 4 horas e morreu. Em 2006, em São Paulo, um bebê morreu em um carro após o pai mudar a rotina na ida para o trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.