No Rio, 'Faixa de Gaza' é ocupada pacificamente

Favelas de Mandela, Varginha, Manguinhos e Jacarezinho, onde fica área conhecida por causa da violência, receberão 29ª UPP da cidade neste ano

MARCELO GOMES / RIO , O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2012 | 03h07

Forças federais e estaduais de segurança anunciaram, às 5h20 de ontem, a ocupação das favelas de Manguinhos, Jacarezinho, Mandela e Varginha, na zona norte do Rio. A ocupação foi efetivada em apenas 20 minutos, sem disparo de tiro nem ameaça de confronto entre policiais e traficantes. Até o fim do ano, a região, que abriga a maior cracolândia do Rio, deverá sediar a 29.ª Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da cidade.

"Se Deus quiser, a partir de hoje não teremos mais uma Faixa de Gaza", comentou o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame. Ele se referia a um trecho da Avenida Leopoldo Bulhões conhecido por este nome por causa da violência. Beltrame minimizou o fato de não terem ocorrido prisões até o fim da manhã. "Mais importante é devolver o território a 70 mil pessoas sem derramar uma gota de sangue", afirmou.

Cerca de 2 mil homens, entre policiais militares, civis e rodoviários e fuzileiros navais, participaram da operação. Às 4h45, blindados da Marinha partiram em direção às favelas. Fuzileiros navais abriram caminho derrubando as barreiras de concreto colocadas por traficantes nas principais vias de acesso.

Em seguida, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar (PM) ocuparam Manguinhos, Mandela 1 e 2 e Varginha. O Jacarezinho foi tomado pela Polícia Civil. Três helicópteros deram apoio à operação, com voos rasantes e atiradores de elite.

Obstáculos. No Jacarezinho, traficantes tentaram impedir a entrada da polícia ateando fogo em sofás, pedaços de madeira e lixo na via férrea que corta a favela. Bandidos também soltaram rojões e fogos de artifício, mas não houve confronto.

Em um dos acessos à Favela de Manguinhos, policiais do Bope explodiram uma barricada de concreto e uma retroescavadeira recolheu os destroços. Na mesma favela, a PM estourou uma casa que funcionava como "enfermaria do tráfico". Foram apreendidas próteses de fêmur e de quadril, além de cimento ósseo.

À tarde, policiais prenderam um dos chefes do tráfico de drogas da comunidade Faz Quem Quer, em Rocha Miranda. Ele é Márcio Ferreira Thiago, conhecido com "Marcinho do Faz Quem Quer". O traficante Guilherme Silva dos Santos, conhecido como Dentinho, de 19 anos, também foi preso. Agentes da Secretaria de Assistência Social da Prefeitura acolheram 104 pessoas, a maioria usuários de crack. / COLABOROU FELIPE WERNECK

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.