No que deu...

Tradições estão na fila para registro

/ ARTUR RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2012 | 03h03

Desde outubro, bens imateriais podem ser reconhecidos pelo Estado. A análise deve ser feita sempre pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat).

A ideia é registrar danças, músicas, pratos, costumes, rituais, livros, brincadeiras, lugares ou outros tipos de manifestações artísticas ligadas à história.

Até agora, porém, não foi finalizado nenhum dos processos de registro. O primeiro em estudos está relacionado aos Reinados de Congos de São Paulo, a tradicional congada, uma dança trazida pelos povos bantos africanos, vindos das regiões de Moçambique, Congo e Angola.

Outro pedido de registro que está sendo analisado pelo Condephaat é o do grupo religioso Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, criado para abrigar a religiosidade do povo negro impedido de frequentar as mesmas igrejas dos brancos.

A primeira capela foi erguida em 1711 na Praça Antonio Prado, antigo Largo do Rosário. O local foi demolido e passou a funcionar no Largo do Paiçandu, onde está até hoje.

O conceito de patrimônio imaterial existe desde 1930. Os primeiros estudos relacionados ao tema foram do escritor Mario de Andrade, que realizava pesquisas sobre o folclore nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.